Miguel Macedo – “Incidentes que se ficaram a dever ao comportamento de meia-dúzia de profissionais da desordem e da provocação, que devem ser travados.”

“Profissionais da desordem e da provocação?”

Miguel Macedo engasgou-se face à coragem da jornalista da Antena 1, justificou e elogiou uma carga policial indiscriminada com recurso a detenções arbitrárias, que continuaram mesmo ao longo da noite e longe do palco dos acontecimentos.  Diz que tudo aconteceu por causa de “meia-dúzia de profissionais da desordem e da provocação”, mas esse diagnóstico não é coerente nem com uma carga indiscriminada sobre milhares de pessoas, nem com acções policiais como a que ocorreu no Cais do Sodré (ver vídeo), nem com a recusa de advogados aos detidos.

 

O Ministro da Administração Interna há muito que devia ter abandonado o seu posto, sobretudo porque as garantias que dá não convencem ninguém pelo menos desde que foi desmascarado pelo movimento já na greve geral do ano passado, mas a contradição entre o diagnóstico que faz e a realidade dos factos colocam-o novamente na berlinda. “A história que escolheram para justificar “a maior carga policial desde o início dos anos 1990″, tal como está a ser contada, não convencer ninguém.

Imagem captada pelo Tugaleaks e informações recolhidas na página do MSE.

Vídeos sobre os factos:

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

29 Responses to Miguel Macedo – “Incidentes que se ficaram a dever ao comportamento de meia-dúzia de profissionais da desordem e da provocação, que devem ser travados.”

  1. Pingback: Lições de Setembro,Outubro e Novembro | Sentidos Distintos

  2. Pingback: As bestas « O Insurgente

  3. Pingback: A palavra ao movimento | cinco dias

  4. Pingback: Greve, polícias e falsos radicais « Fala Ferreira

Os comentários estão fechados.