Vai estudar Hugo Torres

O jornalista Hugo Torres ainda não sabe a diferença entre uma opinião e uma informação, entre um blog e um jornal, entre a verdade e o folhetim. Hoje fez uma notícia onde me cita, acusando-me de factos que não verificou. Nunca me contactou. Desconhece o significado de contraditório. Podia pelo menos ter dito quem lhe mandou a peça de propaganda. Na ausência de dinheiro para me telefonar ou mandar um e-mail podia ter lido o site da Rubra, que ele próprio citou, e ver o link para os contactos da CGTP para vir de transportes à manifestação do Terreiro do Paço e o apelo à manifestação de dia 29 no Terreiro do Paço.

Faltou um parágrafo nesta notícia, que, se me permite, acrescento: «Tudo aponta para uma manobra da CIA, o KGB, e Mossad a soldo dos reformistas-travestidos-de-direita-revolucionários-de-café. Fogo nos traidores!»

A Revista Rubra, feita por 4 jornalistas daqueles que andam cá há muitos anos, décadas, quase uma dúzia de doutores daqueles por extenso e a sério, e mais um sem número de trabalhadores, empregados e desempregados, militantes contra o pagamento da dívida, contra o desemprego, homens e mulheres, gente de bem que sabe o que faz na vida, com muita coragem e sem lamber botas, agradece ao Jornal Público a publicidade. A Rubra custa 2 euros e vende-se nas manifs. No Sábado, no Terreiro do Paço, também.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

13 Responses to Vai estudar Hugo Torres

  1. João Rodrigues diz:

    “No blogue colectivo 5 Dias, a imagem foi replicada por Raquel Varela e a acção da historiadora foi prontamente condenada por vários autores daquela página.” Isto é um facto, sem interpretação possível. Qual seria o contraditório, diga lá? A acção de Raquel Varela pode confirmar-se com um rápido scroll-down: a imagem foi publicada por Raquel Varela no blogue 5 Dias e essa acção foi condenada por outros elementos do blogue.

  2. Vasco Cipriano diz:

    Cara Raquel:
    Queria dar-lhe os parabéns pela calma que manifesta perante as acusações de que tem sido alvo.
    Infelizmente, imensa gente de esquerda continua a achar mais profícuo atacar outras pessoas de esquerda, menos ortodoxas, tentando fomentar questiúnculas que em nada favorecem o que se pretende e sempre se devia ter pretendido desde há muitas décadas: uma luta comum da esquerda contra o elitismo social e económico que nos governa (há séculos).
    O século XX provou bem até onde vão certos sectores para reivindicar o monopólio do progressismo e do que é ser de esquerda.
    Sou de esquerda, radical no pensamento, e penso que devemos perder (ganhar) o nosso tempo afrontando o nevoeiro dos interesses económico-financeiros e não atacando quem, na esquerda, tem uma postura que não corresponda inteiramente à que cada um tem.
    Especialmente quem é particularmente activo, como os bloggers deste espaço.
    Cumprimentos

    Vasco

  3. Bruno Carvalho diz:

    Raquel, esqueceste-te de acrescentar no teu post que essa adenda dos autocarros da CGTP e o cartaz da CGTP só foram postos depois de eu, o Nuno e o Tiago vos termos denunciado.

    • Raquel Varela diz:

      Caro Bruno Carvalho,
      A Rubra informa que a adenda aos autocarros da CGTP foi colocada de imediato mal vossas excelências nos «denunciaram». Sem a vossa «denúncia» o que seria de nós? Também nos «denunciaram» aos serviços secretos e à política ou só alertaram, ou terão talvez anunciado, quem sabe chamado mesmo a atenção?
      Com consideração
      RV

  4. jpm diz:

    “A Revista Rubra, feita por 4 jornalistas daqueles que andam cá há muitos anos, décadas, quase uma dúzia de doutores daqueles por extenso e a sério, e mais um sem número de trabalhadores, empregados e desempregados, militantes contra o pagamento da dívida, contra o desemprego, homens e mulheres, gente de bem que sabe o que faz na vida…”

    Não deixa de me impressionar que os nossos revolucionários, “gente de bem” (portugueses honrados?), saibam o que “fazem na vida” (sabem certamente), puxem dos seus galões: doutores a sério e por extenso. O que seria de uma sociedade sem classes sem doutores a sério e jornalistas que não lambem as botas, a atacar jornalistas(que seguramente são uns madraços, incultos e vendidos).
    Fica-lhe muito bem, e diz muito, sobre a sua abnegação.
    Já agora? Que raio está errado no artigo?

  5. Pingback: Paredes de vidro « Declínio e Queda

  6. Ex-estudante UMinho diz:

    Para quem conhece este ex-estudante da Universidade do Minho, sabe que é um tremendo reacça sem ética… e assim irá continuar…

  7. RML diz:

    Presumo que a Raquel Varela tenha contactado o jornalista Hugo Torres para verificar os factos de que o acusa.

  8. antónimo diz:

    não vejo onde está a distância dos factos que obrigasse a consultá-la.

  9. marta diz:

    ehpá, porra pra vocês, parem com estas merdas que só prejudicam a verdadeira luta, que não é exclusivo de nenhum de vós. ninguém tem o franchising da resistência nem ninguém pode condenar outro por mudar de ideias. é por estas merdas que tantos jovens não se reconhecem em nenhum dos partidos ditos de esquerda. quem é, na verdade, o vosso inimigo? em vésperas de sairmos à rua o que interessa é sairmos todos.

  10. Há uma diferença entre não se gostar de uma notícia e achar que a notícia não está bem dada. Neste caso parece claro que não gostou da notícia porque na notícia não se vê nada que possa ser atacado.

  11. mehmet shehu diz:

    “uma dúzia de doutores daqueles por extenso e a sério”
    “Um doutor, e de Coimbra!” – como disse Almeida Santos

Os comentários estão fechados.