O que a 6 de Março foi considerado “desobediência qualificada”…

Hoje foi autorizado por dois agentes da PSP democraticamente cooperantes. Ficam para a história do pós-25 de Abril as declarações de Carla Duarte, porta-voz de Miguel Macedo da PSP, considerando que “duas pessoas já fazem uma manifestação“!
Hoje, mais de três dezenas de activistas demonstraram que a liberdade e a dignidade não fazem cedências ao medo! A ilegalidade cometida em Março foi hoje, ironicamente, enterrada!

Num país em que a impunidade impera, exigir que quem deu a ordem fascizante assuma que o fez é garantir que não permitiremos que o medo se volte a instalar!

Estamos fartos da cobardia deste governo de fantoches! E, uma vez vencido o medo, no dia 30 de Junho, desempregados, precários, cidadãos e cidadãs conscientes de que este é o caminho do abismo, tomarão as ruas e reclamarão o que é nosso por direito! Emprego, salário e direitos que nunca foram adquiridos pois a memória dos que lutaram para os conquistar merece o respeito de todos nós!

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , . Bookmark the permalink.

7 Responses to O que a 6 de Março foi considerado “desobediência qualificada”…

  1. Pingback: “Juntos querem ter força para encontrar o caminho do salário no final do mês” | cinco dias

Os comentários estão fechados.