Da revolução permanente à procrastinação por etapas

“…tudo neste cartaz cheira a agonia, a desespero, a decadência, a canto do cisne…”

Numa caixa de comentários do Spectrum.

A actividade política do BE está um must. Os que sempre defenderam a unidade com o PS fazem a psicoterapia do erro, sem qualquer garantia terapêutica. Os que nunca foram contra a unidade com o PS dão mostras de não estarem arrependidos. Entre uns e outros deve haver quem esteja com saudades de toda a dissidência, uma vez que está visto que davam uma mãozinha a unificar o que nunca revelou ter grandes divergências. As tendências à esquerda unificam-se com as fracções à direita e os centrões alinham-se para segurar a direcção. Será que de toda esta confusão vai sobrar alguma ideia de combate?

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

12 Responses to Da revolução permanente à procrastinação por etapas

Os comentários estão fechados.