Nem o Bloco morre, nem o Renato almoça (à mesa do MAS)!

A análise que o Renato aqui faz está ferida pela cegueira que lhe mina o pensamento e que o faz atacar tudo e mais alguma coisa que o Bloco, os seus dirigentes e/ou os seus militantes façam.
Se tem razão nalgumas das acusações que lhes endereça, nomeadamente aos Precários Inflexíveis (PI), acaba por perdê-la quando a estica até ao limite máximo da confusão.
É evidente que algo de errado se passou na preparação das acções dos movimentos extra-CGTP para o dia da Greve Geral. Tanto quanto sei, e sei pouco e quase só de um lado, havia coisas combinadas que foram mal descombinadas e que acabaram, não só, por enfraquecer os movimentos, como quem deles se quis distanciar.
E a distanciação, se existiu de facto, deve ser explicada de forma clara e objectiva. E se o Renato acusa os PI de traição eu gostava que estes nos dessem a conhecer a sua versão para todos percebermos o que levou a que não acontecesse o que estava previsto na véspera. Se há coisa que me enerva é ver esta gente que se empenha e que faz coisas acontecerem, a puxar para lados que raramente são o mesmo. E nisto o Renato tem razão. Muita. Quase toda. As esquerdas estão, de facto, divididas. Mais do que nunca não sei. Mas mais do que alguma vez eu me lembro de terem estado. No resto, sinceramente, espero que não tenha e que haja uma explicação lógica para o que aconteceu.
É nesta incapacidade de fazer a síntese e de irmos juntos na luta, com aquilo que nos une, contra aqueles que nos atacam os salários, os direitos (adquiridos e tudo, vejam só) e tudo o que mais se conseguirem lembrar que reside a nossa maior fraqueza e a base da nossa incapacidade de trazer mais gente connosco!
Enquanto assim for, podemos estar certos de que continuaremos a deixar que nos atrasem o país e as vidas. E não honramos nem as lutas e as conquistas dos nossos pais, nem o futuro dos nossos filhos.

Uma nota final para o que puxo para o título, em jeito de pura provocação ao Renato.
A cegueira que te tolda a capacidade analítica impede-te de ver (ou de assumir) que a «boa análise» que dizes ser feita pelo MAS é um descarado namoro aos movimentos tidos como desorganizados e nos quais o Gil Garcia e os seus pares julgam ter a sua base de sustentação. Mas é o MAS/Ruptura/FER que faz da desunião uma forma de tomar balanço para a grandiosa união final que juntará ao MAS o PCP, o BE, o MRPP, o POUS, os acampados, os indignados, os anarcas… eu sei lá! O que até pode ter muito de leninista, mas tu sabes e eu sei o que vai nascer dali. Porque tu já lá estiveste e eu conheço o Gil Garcia há mais de 20 anos. E a capacidade de construir é inexistente por aqueles lados.
E como um prato de caracóis se estiver errado. Mas só se tu pagares as minis.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , , , , , . Bookmark the permalink.

23 Responses to Nem o Bloco morre, nem o Renato almoça (à mesa do MAS)!

  1. Pingback: Três respostas “à la minute” ao Carlos Guedes e a verdade dos factos sobre a cisão provocada pelos movimentos flexíveis dinamizados pelo Bloco de Esquerda. | cinco dias

Os comentários estão fechados.