O ponto de ruptura

Há uma nova língua no ar: chama-se “ajuda” a um Memorando da troika que condena países à miséria. Chama-se “reforma laboral para criar empregos” a um conjunto de medidas que aumenta o desemprego e transforma toda a gente em trabalhador precário. Chama-se “democracia” a governos que são eleitos, mas cumprem ordens de pessoas que não são escolhidas pelos povos a quem condenam.

Nada melhor que ver o que o Conselho Europeu vai decidir para a Grécia para percebermos o que nos espera. Atenas irá receber 130 mil milhões de euros que vão ser depositados numa conta à parte, gerida por uma equipa permanente da troika, que servirá exclusivamente para pagar dívidas contraídas noutros empréstimos feitos pelos agiotas que lucraram com a crise. A Grécia tem de aceitar ser governada por estrangeiros e que o dinheiro do seu orçamento tem de ser utilizado não para satisfazer necessidades sociais, nem para investir, mas exclusivamente para pagar a bancos e credores. O plano que levará a Grécia à falência mas salvará os bancos e os investidores que especularam com a sua dívida.

Depois desta crise nada ficará como dantes. A disputa política far-se-á entre os discursos que de uma forma mais eficiente arranjarem culpados para esta crise. Este será o terreno do conflito. As políticas do eixo franco-alemão estão a abrir a caixa de Pandora. O nacionalismo, a guerra e a revolução não são acontecimentos trancados no passado. Aqueles que nos vendem a miséria como salvação deviam lembrar-se que há um ponto a partir do qual as pessoas deixam de estar presas pelos seus medos. E se nada têm, nada têm a perder.

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

3 respostas a O ponto de ruptura

  1. De diz:

    Magnífico post.

  2. … Fiquem à espera do POVO Y não se mexam 🙂 … O POVO já está treinado na mingua do nada ter … Chegou a vez da Burguesia ir para a rua dar O Corpo Y o sangue .. Y é se querem. O Povo já sabe que a ele nada proveitoso a rua lhe trará … Isso de ir para a rua Morrer pelos Burgueses se pandegarem é engodo de outros Séc. Y Parvo é o POVO se se oferecer – uma vez mais – como bode expiatório …

  3. Luis Almeida diz:

    “mas cumprem ordens de pessoas que não são escolhidas pelos povos a quem condenam.”
    Não são só eles, caro Nuno: os substitutos de Papandreo e Berlusconni também não foram eleitos por ninguém. Neste mundo em constante “chilenização lenta”, estará a esquerda marxista-leninista condenada a ser o último bastião da defesa do “sufrágio universal directo e secreto” porque a direita tirou, finalmente, a máscara da democracia, mesmo da burguesa? Pois se até a famigerada Constituição Europeia/Tratado de Lisboa , seu alfa e ómega
    (“porreiro, pá!”), já não lhes serve…
    Excelente post, Nuno.

Os comentários estão fechados.