Hoje, a Dívida em Debate – Pagar, Suspender ou Renegociar?

“A ‘Dívida Soberana’ é causa de medidas de brutalidade sem precedentes que representam um retrocesso civilizacional ímpar. É por isso necessário perceber como chegámos até aqui e que alternativas ponderar para a saída desta situação de crise.”

Com:
Renato Guedes – Membro do Comité para a Anulação da Dívida Pública Portuguesa [CADPP] e da revista Rubra. Profissionalmente, Renato Guedes é investigador do Centro de Física Teórica e Computacional da Universidade de Lisboa.
Rui Viana Pereira – Membro do Comité para a Anulação da Dívida Pública Portuguesa [CADPP] e da Iniciativa de Auditoria Cidadã [IAC]. Rui Viana Pereira é também tradutor do Eric Toussaint para português.
João Camargo – Jornalista, Eng.º do Ambiente e estudante de Economia na London School of Economics.
Paulo Trigo Pereira – Economista. Professor de Economia do ISEG. Autor da petição contra o Orçamento de Estado para 2012 e do livro ‘Dívida Pública e Défice Democrático’.

Clicar aqui para mais informações.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , . Bookmark the permalink.

12 respostas a Hoje, a Dívida em Debate – Pagar, Suspender ou Renegociar?

  1. menvp diz:

    Mafiosice e… MUITA BANDALHEIRA!

    Um exemplo, há que cortar com os Bandalhos (marionetas dos agiotas) a empurrarem-nos para o NEGÓCIO DA DÍVIDA: os Terroristas_CGTP:
    – face a uma entidade pagadora em deficit (leia-se Estado) – e ‘martelando’ os mais fracos (um ex: aqueles que, como eu, precisam de transportes públicos para se deslocar para o local de trabalho) – eles apresentavam propostas de aumentos – E NÃO – propostas de orçamentos… leia-se, queriam mais dinheiro não importa vindo de onde… leia-se, jubilavam quando os aumentos vinham… e… varriam para debaixo do tapete o facto da entidade pagadora ter necessidade de pedir dinheiro emprestado a (perigosos) especuladores, e necessidade de vender activos…
    .
    .
    ANEXO:
    Os portugueses foram uns otários ao caírem na ratoeira do NEGÓCIO DA DÍVIDA: de facto, há séculos e séculos que o Negócio da Dívida é a mesma coisa:
    – sempre que um agiota quer ‘deitar a luva’ aos bens de alguém… o agiota acena com empréstimos… que sabe que não vão conseguir pagar… até porque, frequentemente, o agiota ‘trata’ de complicar a vida ao devedor!
    RESULTADO FINAL: quem foi atrás do aceno de empréstimos (feito pelo agiota) vê-se espoliado… e o agiota fica com os seus bens!
    Hoje em dia, mega-agiotas não se limitam a acenar a famílias… eles acenam a países inteiros!
    [uma obs: a Goldman Sachs chegou ao ponto de camuflar a dívida grega… para que depois… mega-agiotas pudessem deitar a luva a activos gregos (e não só: consequências do chamado ‘efeito dominó’!) a preço de ”’saldos”'(empresas estratégicas para a soberania nunca deveriam ser vendidas)].
    É ALTURA DE ANALISAR:
    1- em Portugal, quem é que andou a silenciar ”Medinas Carreiras”?
    2- em Portugal, quem é que nos ANDOU A EMPURRAR para o Negócio da Dívida?
    .
    .
    P.S.
    Sem dúvida que o objectivo final de tudo isto [Biliões para os banqueiros = Dívidas para as populações] é a implosão das soberanias!…
    -> A superclasse (alta finança internacional – capital global, e suas corporações) não só pretende conduzir os países à IMPLOSÃO da sua Identidade (dividir/dissolver identidades para reinar)… como também… pretende conduzir os países à IMPLOSÃO económica/financeira.
    -> Só não vê quem não quer: está na forja um caos organizado por alguns – a superclasse: uma nova ordem a seguir ao caos… a superclasse ambiciona um neo-feudalismo.

    • Renato Teixeira diz:

      Porra, se há coisa que não falta em Portugal são Medinas Carreiras.

    • Rui Campos diz:

      E a CGTP entra nisso tudo porquê?

      • menvp diz:

        E a CGTP entra nisso tudo porquê?

        Face a uma entidade pagadora em deficit (leia-se Estado)… eles apresentavam propostas de aumentos – E NÃO – propostas de orçamentos… leia-se, queriam mais dinheiro não importa vindo de onde!!!…

        • Rocha diz:

          Sim porque os milhares de milhões com que enchem o cu dos bancos tanto directamente desde o orçamento de Estado como indirectamente do nosso orçamento do Estado pelos empréstimos da Troika e através do ECB (ECB e UE financiado por todos os Estados incluindo o nosso), esses não são “aumentos” como você fala.

          As suas palavra é que são “aumentos” (assim mesmo no abstracto como você gosta de falar para ninguém perceber) de desinformação como se os media não bastassem.

  2. Rocha diz:

    De vez em quando até à gajos de direita que dizem alguma coisa de jeito, mas não é em caixas de comentários.
    Olha me este video Renato:

Os comentários estão fechados.