magoar a sensibilidade (dos mais novos).

há uns meses invadia-se o palco do Thêatre de la Ville, em autodepalhaçada, aos urros de arte degenerada. hoje, a cada curva do Pompidou, o aviso de que as obras contêm cenas que podem “heurter la sensibilité des spectateurs”, sobretudo os mais jovens.

no Pompidou. um centro de arte moderna. para que serve a arte senão para “heurter”, de uma forma ou de outra, as nossas sensibilidades? e os mais jovens porquê, se aquilo é aviso de gente sempre velha (e atacada de reumatismo cerebral, de plus en plus)?

e perguntam vocês: era assim no ano passado? e há dois anos?

não. pois não. digamos que degenerou.

(os sinais estão aí todos. para quem não se quiser vendar. para quem não quiser ser cúmplice.)

"Danser sa vie" au Pompidou

Sobre Sassmine

evil fingering.
Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

2 Responses to magoar a sensibilidade (dos mais novos).

Os comentários estão fechados.