Do Afganistão ao Irão, da Palestina ao Iraque, hoje e sempre na trincheira da resistência, num combate ombro a ombro contra o imperialismo.

Watch live streaming video from globalrevolution at livestream.com

Entretanto. via Spectrum, nos EUA…

Ronald Reagan baptizou-os: “combatentes da liberdade”. Antes, Jimmy Carter, Robert Gates, Harold Brown, Zbigniew Brzezinski, Ronald Spiers, Zia-ul-Haq, entre outros mercenários, abriram caminho à criação dos Taliban, antes mesmo da ameaça soviética. A Helena Matos devia beber da frontalidade de Chris Taggart, presidente executivo da UNOCAL, o mais claro dos filhos da puta a justificar o seu apoio aos rebeldes islâmicos: “Se os Talibãs levam à estabilidade e reconhecimento internacional, então é positivo.” Quando o quadro geopolítico mudou, os EUA e os seus lacaios viraram o bico ao prego e passaram os Talibãs para o campo do inimigo. Já o objectivo, o saque de recursos, permaneceu inabalável. No Afeganistão, na Palestina e no Iraque, Bush e Obama germinaram os Vietnames da contemporaneidade e se tudo correr bem as coisas vão pelo menos acabar da mesma maneira, com o regresso das tropas a casa. Será o melhor salvo-conduto para toda da humanidade, sobretudo para os norte-americanos. É que não há pior fundamentalismo do que o terrorismo financeiro e ninguém o supera em matéria de carnificina. Contra ele, todas as unidades tácticas são tão urgentes como necessárias, nos quatro cantos do mundo, e dizem os livros de história que a resposta dos povos é proporcional à violência que lhes está a ser imposta.

Off Topic I: Simpática Ana Barbara Pedrosa, diga aí ao Adriano Campos, que eu não sei what/who the fuck is, que Israel não tem “populações civis” uma vez que é o enclave militar que ocupa a Palestina. Já agora, faça chegar ao Figueiredo, esse que conseguiu ter menos votos que o Ruptura FER nas eleições para a AAC, que assim não vai subir na cadeia alimentar do aparatchik. Antes das despedidas, dizer também que o Adeus Lenine está lindo. Para quem acusa a vizinhança de privilegiar o ataque ao BE e de secundarizar a luta contra a direita, pode tirar grandes conclusões sobre a vossa bad trip.

Off Topic II: Espero que ser visado pelo João Gonçalves não signifique o mesmo que ser visado pela velha senhora. Se estivesse debaixo da tutela do Miguel Macedo começava a ficar preocupado.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , . Bookmark the permalink.

64 Responses to Do Afganistão ao Irão, da Palestina ao Iraque, hoje e sempre na trincheira da resistência, num combate ombro a ombro contra o imperialismo.

Os comentários estão fechados.