O DILEMA DO MACEDO: DEMITIR OU DEMITIR-SE! Direcção Nacional da PSP reage em entrevista às provas apresentadas na rede, relativas à violência policial e à existência de agentes provocadores na manifestação.

A Direcção Nacional da PSP, confrontada com os factos e as provas, viu-se obrigada a comentar a existência de agentes provocadores e a prática de violência policial, na manifestação da Greve Geral, no dia 24 de Novembro.

Ficamos a saber que o nosso dinheiro é gasto numa polícia que assume que os trambolhos denunciados “são elementos policiais pertencentes à estrutura de investigação criminal” e que, como dá à estampa o JN, o “Comando da PSP admite polícias à civil agredidos pelo Corpo de Intervenção”, ou seja, que “polícias à civil lutaram contra polícias fardados”.

O disparate, no entanto, não se fica por aqui. Na mesma linha em que se afirma que compete à PSP garantir “que o exercício do direito de manifestação por parte dos cidadãos faz-se de forma livre”, diz-se também que a PSP tenta proibir o acesso à manifestação a “elementos estranhos às organizações que as promovem”. Para o actual governo, o conceito de manifestação é de tal ordem rebuscado, que se pode concluir que para eles elas já estão ilegalizadas. Como está bom de ver, para qualquer manifestação ser livre, é condição essencial que se constitua na forma de um chamado aberto “a elementos estranhos às organizações que as promovem”.

Num assomo de lucidez, porém, fica o essencial do que deve ser dito ao trambolho que abusou da autoridade e da violência e aos que instigaram os manifestantes: “Não faz sentido por isso falar-se em Agentes provocadores ou infiltrados, pois esses conceitos não existem na PSP, sendo que tais acções não são enquadráveis na lei.” Assim deveria ter sido e os responsáveis pelos factos devem responder em tribunal. Dos agentes envolvidos ao Guedes da Silva, do José Manuel Anes ao Miguel Macedo. Os violentos são só eles, por enquanto.

1. Confirma que os dois indivíduos vestidos à civil que surgem na primeira e fotografia publicada são agentes da PSP?

“Os dois cidadãos que surgem identificados na primeira fotografia são elementos policiais pertencentes à estrutura de investigação criminal da PSP, os quais estão integrados no policiamento que foi desencadeado por ocasião das manifestações sociais de 24NOV11. A sua missão neste tipo de contexto será o de garantir que o exercício do direito de manifestação por parte dos cidadãos faz-se de forma livre, sem quaisquer perturbações de elementos estranhos às organizações que as promovem, impedindo o cometimento de ilícitos criminais, preservando a segurança de todos os intervenientes. A fotografia surge no contexto da necessidade de reposição da ordem pública por parte do Corpo de Intervenção da PSP, no qual os próprios elementos policiais acabam por ser alvos da intervenção dos seus colegas, situação esta que é frequente (ex: policiamentos de futebol). Para uma melhor percepção dos factos, é preciso que se diga que o avanço do Corpo de Intervenção faz-se em linha, incidindo sobre todos os que se encontram no seu raio de acção, sendo por isso normal que, perante a não identificação exterior dos elementos policiais, estes fossem também sujeitos às medidas de polícia desencadeadas.”

2. Confirma que os dois indivíduos supra-referidos surgem também nas restantes fotos, em manobras de detenções de manifestantes, e com especial destaque numa dessas fotografias, agarrando um detido e encaminhando-o para uma carrinha, aparentemente, da PSP?

“A PSP confirma que estes elementos foram utilizados para as acções mencionadas, pois identificaram um dos autores dos distúrbios que foram provocados, procedendo por isso à sua detenção pela prática de crimes tipificados pela lei penal.”

3. Confirma que houve, na dita manifestação, agentes da PSP “infiltrados” ou “provocadores”?

Não houve na dita manifestação elementos da PSP infiltrados ou provocadores. Conforme já foi dito na questão n.º 1, os elementos policiais à civil utilizados pertencem à estrutura de investigação criminal da Instituição. A PSP é uma polícia integral, que agrupa diversas valências entre as quais a investigação criminal, sendo que todas elas são utilizadas nos mais diversos policiamentos que diariamente executamos, com o objectivo e único propósito de promover a segurança dos cidadãos nas mais variadas áreas, desde o trânsito até à manutenção da ordem e tranquilidade públicas. Não faz sentido por isso falar-se em Agentes provocadores ou infiltrados, pois esses conceitos não existem na PSP, sendo que tais acções não são enquadráveis na lei, nem traduzem sequer benefícios para a nossa acção, a qual será sempre firme, mas ao mesmo tempo apaziguadora e mediadora de conflitos. O nosso objectivo neste contexto será sempre garantir o livre exercício dos direitos dos cidadãos.

Entrevista conduzida por Nélson Morais, no JN de 1 de Dezembro de 2011.

Via DCP

Recapitulemos as postas, as provas e as questões que os acontecimentos levantam:

Mais um gatinho orelhudo

Podem apagar o vídeo, proteger o trambolho e salvaguardar o extremista Miguel Macedo. Podem dizer que o alemão é anarquista, que a manifestação foi violenta ou que estava em causa a segurança nacional face a um homem que não ofereceu resistência. A memória não se apaga tão facilmente e a sede de justiça não se mata sem justiça. [actualizado]

NOVA FOTOGRAFIA DO AGENTE INFILTRADO E DA CARGA POLICIAL – Miguel Macedo, expulse o trambolho violento da polícia e demita o extremista mentiroso do Governo! [actualizado]

MAIS PROVOCADORES INFILTRADOS DESMASCARADOS: “Casal” de polícias à paisana: o de casaco azul e o de casaco castanho. Estão os dois em todas as fotos. Guedes da Silva, director da PSP, junta-se ao Ministro Miguel Macedo no rol de mentiras. A porta da rua é a serventia da casa: RUA!

Polícia inventa perigoso alemão com mandado de captura da Interpol

MACEDOFINGER 007 – O meliante mentiroso ao serviço da brutalidade policial, do ataque à greve, da frau Merkel e do herr FMI.

Infiltrados e Provocadores: Prenúncio do Fascismo

Mais imagens dos agentes e da acção “ponderada, sensata e competente” dos capangas do Miguel Macedo [com links para o que foi publicado noutros blogues]

Será que é legítimo o governo usar o meu dinheiro, dos meus impostos, do meu trabalho, para ter policias à paisana, disfarçados, nas manifestações pacíficas e democráticas a incitar à violência e a tentar provocar a violência? E a espancar manifestantes?

Marinho Pinto, João Palma, António Filipe e Fernanda Câncio exigem explicações. O Bastonário da Ordem dos Advogados é quem coloca as coisas de forma mais clara. Enquanto não houver consequências podemos pensar “se não foram outros agentes da PSP que lançaram cocktails molotov para as repartições de finanças”.

 

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , , . Bookmark the permalink.

23 Responses to O DILEMA DO MACEDO: DEMITIR OU DEMITIR-SE! Direcção Nacional da PSP reage em entrevista às provas apresentadas na rede, relativas à violência policial e à existência de agentes provocadores na manifestação.

  1. Pingback: AUSÊNCIA DE DÚVIDA PLAUSÍVEL! Provas cabais sobre a violência policial, os infiltrados e os PROVOCADORES, que já actuam no movimento, pelo menos, desde o dia 15 de Outubro. Com estas imagens, agora é Passos Coelho que tem a palavra. Demite ou demite

  2. Pingback: GUEDES DA SILVA E DIRECÇÃO DA PSP EXONERADOS! As moscas mudam, claro, mas nem sempre fica tudo igual. Isso só é garantido se nunca se mexer na merda.

Os comentários estão fechados.