Povo de esquerda, uni-vos

As intenções de voto na esquerda grega somam 23%. Em Espanha as sondagens mais desfavoráveis prevêem a quadruplicação dos deputados da IU e em Itália as várias esquerdas têm enchido as ruas.
O que é certo é que a realidade tem vindo a dar razão à maioria das teses de esquerda sobre a Europa, o euro e os tratados europeus. Se cada cidadão que repetiu o argumento de autoridade do poder vigente – que eram vozes antieuropeias ou irresponsáveis, que reproduziam ideias do passado – o reconhecesse, seria um óptimo ponto de partida para uma discussão produtiva sobre soluções para ultrapassar a crise. Mas este discurso também tem tido repercussões à esquerda, sobretudo nos meios académicos. Há sempre quem se afirme desiludido e projecte com um olhar sonhador um espaço político renovado a partir de um homem novo, extraordinariamente culto e subitamente politizado.
Confesso-me intranquilo e sem paciência para refundações ou petições. Olho para o lado e vejo cada vez mais pessoas a emigrar ou a empobrecer. Declaro-me impaciente e disposto a trabalhar com o que temos. Com o que somos, não com o que seremos ou com o que gostaria que fossemos.
O povo de esquerda tem-se encontrado nas ruas e não tenho dúvidas que se reencontrará na gigantesca greve geral que se avizinha. Mas a luta nas ruas terá mais efeito se PCP e BE, quem vota PS por tradição e sem confiança e desiludidos de diferentes proveniências, assumirem uma convergência política – sem perdas identitárias. Poderia assim constituir-se uma alternativa de poder ao caminho de austeridade, desemprego e empobrecimento que tem unido os partidos de poder – da extrema-direita ao “centro esquerda”.

No i

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

16 Responses to Povo de esquerda, uni-vos

  1. Tiago R. diz:

    Não podia estar mais de acordo.
    Tivesse havido essa convergência de luta há mais tempo e não estaríamos, porventura, agora confrontados com uma maioria absoluta da extrema-direita.

    • kirk diz:

      Bruxo. Só é preciso que o PC perca o seu tique de aristocrata de esquerda que os seus 90 anos de história lhe colaram á pele, e que o BE demosntre igual vontade de convergencia e a coisa vai.

  2. José diogo diz:

    Nāo nos podemos render
    A espinha nāo vamos curvar
    Nāo somos gado para abater
    Temos que nos rebelar

    Nāo permitamos que eles passem: força amigos!

  3. Pois é!
    Uma das questões que me perplexa é a de que como a esquerda, a força que melhor entende a problemática da divisão é aquela que se encontra mais dividida.
    Costumo dizer; a direita ao menor ponto de convergencia une-se, a esquerda ao menor ponto de discordia divide-se.
    Só uma razão explica esse facto…

  4. De diz:

    Povo de esquerda:Uni-vos!

    Si tiram tots, que cader (Si nous tirons tous il tombera)

  5. “As intenções de voto na esquerda grega somam 23%. ”

    Se contarmos com a Politica XXI lá do sítio, chega aos 30%

  6. Augusto diz:

    Chamemos os bois pelos nomes.

    Programa comum das esquerdas.

    Mas para isso , não pode cada um pedalar na sua bicicleta, nem ninguem se querer assumir como vanguarda tutelar.

  7. Armando Cerqueira diz:

    Sim Tiago Mota Saraiva, sim Augusto. As Esquerdas e o Centro (PS, social-democrata, capitalista reformista e social) deveriam entender-se seriamente, na base de uma plataforma ou aliança ou acordo, etc comum.
    Só receio a propensão bem portuguesa e milenar (vem do tempo dos Lusitanos e dos Romanos…) para as quezílias intestinas e a divisão.
    Almeida Garrett escrevia e Augusto da Costa Dias repetia que “a terra é pequena e a gente dela não é maior”.
    Mas algum dia virá em que cresceremos, e como adultos finalmente nos entenderemos – nós, os da Esquerda.

  8. Gentleman diz:

    Sejamos realistas. Que esquerda moderna e mentalmente sã quer aliar-se a setores onde há indivíduos que têm dúvidas que a Coreia do Norte não seja uma democracia?

    • De diz:

      Sejamos realistas.
      Gentleman tem medo.Tem medo e não o consegue evitar.
      Tem medo que a força suba,que a contestação se inflame,que os explorados ponham em causa o domínio dos exploradores.
      E anda por aí.Já não se veda.Já nem consegue defender os da sua classe.
      Limita-se a isto

      Coreia do Norte
      …e um pouco de cloreto de sódio

      • Gentleman diz:

        Medo? LOL
        O De Pavlov não entendeu nada. Muito antes de eventualmente chegar ao estado de “medo” era necessário que a malta da esquerda radical se entendessem uns com os outros. E isso é uma impossibilidade técnica.

        As minhas férias na Coreia da Norte por henri3791

        • De diz:

          Gentleman continua a insistir na Coreia.
          Agora até fala nas férias que passou na Coreia.Ele, um dos seus mentores.ou um dos seus prosélitos.
          Lol.
          Medo.
          A Coreia e Gentleman
          Medo.
          Invoca ele a desunião das esquerdas “radicais” como é moda chamar-se agora.
          Lol.
          Acha mesmo Gentleman?

          Enquanto esperamos pela retratação de Gentleman sobre um comentário meu que o “rapazote” diz que eu disse,vejamos o que sobra do comentário

          Isso mesmo.
          Ou então não iria buscar a dita Coreia e o comentário pela enésima vez.
          O rapazote está preocupado?
          Isso e algo mais

  9. De diz:

    O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, apelou hoje à participação de todos os trabalhadores e reformados na greve geral marcada para o dia 24, considerando que esta “pode ser a maior de sempre” em Portugal.
    Jerónimo de Sousa assegurou que o PCP estará como sempre “na primeira linha do combate”, acrescentando: “Mas não podemos estar sozinhos, temos de estar com o povo. Temos de nos juntar todos para travar o caminho desta política desgraçada, e estamos confiantes de que isso vai acontecer”.

    Povo de esquerda, uni-vos!

  10. Dia 24 estou em Lisboa na manifestação. Contra as políticas de empobrecimento geral da população. Contra o fascismo financeiro austeritário. Em resistência ao novo espírito do fascismo devastador de milhões de vidas humanas. Em defesa da conquista histórica que foi o Estado Social e a democracia. O actual governo e os senhores da Troika devem ser julgados por crimes contra a humanidade. É essa uma das mensagens que vou levar na manifestação. Da condição de indignado passei à de resistente e não me responsabilizo pelo estado futuro de evolução da minha condição.
    Daqui: http://macloule.blogspot.com/

    Ps: Com especial carinho para o director actual do Jornal i

  11. V Cabral diz:

    Vamos ser objectivos e pragmáticos: Portugal tem dois grandes Partidos de direita, tem dois grandes Partidos de esquerda e um, que diz que é canhoto. Este Partido canhoto destabiliza e desorienta os “distraídos”. Sería bom, que se definisse … a bem da Nação.
    VC

Os comentários estão fechados.