A radicalização da política de “unidade nacional”

Na Grécia prepara-se um “governo de unidade nacional”. Coisa simpática para denominar um processo em que os mercados evitam eleições antecipadas e nomeiam o fantoche de serviço. Em Itália, Berlusconi procura resistir não respeitando as ordens dos mercados. Mas a sucessão já está em curso. Por cá, não é difícil de prever que, assim que houver uma hesitação nos pagamentos, Cavaco chamará Passos, Portas e Seguro para a formalização do casamento. Talvez recuperem o Constâncio… o Mira Amaral… o Vitorino.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

2 Responses to A radicalização da política de “unidade nacional”

  1. De diz:

    A Santa Aliança…
    ao longo da História tem sido assim

  2. João Vilela diz:

    Ou o Jaime Nogueira Pinto. Ou o Medina Carreira.

Os comentários estão fechados.