touche pas a mon Che

Talvez alguém devesse dizer a certos bloguistas da nossa praça que, independentemente do que cada um pense da insurreição líbia desde que houve intervenção da NATO, tentar apresentar um ditador megalómano, sanguinário, patriarcal e ridículo como se fosse a re-edição do Che Guevara constitui um obsceno insulto ao património comum de toda a esquerda com memória.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

49 Responses to touche pas a mon Che

Os comentários estão fechados.