O cavaquês

Interpretando a clássica figura do polícia bom, Cavaco Silva fez saber que não estaria de acordo com os cortes que o governo propõe. A representação adensa-se quando Cavaco, invocando o seu superior conhecimento do país a partir das cartas que recebe em Belém, declara parecer-lhe haver entre os pensionistas quem já não tenha capacidade para participar nos “sacrifícios”. Entusiasmado, remata com o auto-elogio sobre uma alegada coerência que reclama para si.

Aqui

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.