Grécia, a mãe de todas as greves (com Manifestação e Cerco ao parlamento)

Ao centro, um polícia em protesto

Enquanto por cá o clima político-social está a aquecer, na Grécia a situação está a arder. Creio que exactamente no momento em que cá se discute a próxima greve geral e um possível cerco ao parlamento é muito importante olhar para um país que se encontra cerca de 1 ou 2 anos à nossa frente, sendo necessário alguns filtros (óbvio que a sociedade Grega e a situação Grega não é exactamente igual à Portuguesa), olhar para a Grécia é olhar para Portugal daqui a um ou dois anos.

Exactamente hoje começa aquilo que muitos chamam a “Mãe de todas as Greves“. É interessante ver estes textos prévios, da Esquerda dita radical até à direita, passando por tendências mais anarquizantes,  sendo que a direita tem uma perspectiva oposta, uma coisa é certa, todos são claros no sentido em que se vivem momentos decisivos. E o que se vai viver (e está a viver) é a conjunção de várias greves (algumas que já estavam a decorrer) num mega protesto de dois dias, que vai muito para além do que aquilo que o Bruno aqui descreve como uma greve.

Primeiro, os sectores envolvidos são de facto muito diversos indo para lá do tradicional funcionalismo público e trabalhadores do segundo sector, um exemplo apenas, é a adesão dos taxistas.

Segundo, a greve envolve manifestações de massas, incluindo um cerco ao parlamento. Convocado pelo Partido Comunista lá do sítio e “sua” central sindical. Aqui, aqui ou aqui podem ver os desenvolvimentos desta Histórica confrontação social.

Terceiro, os sectores em Greve não se limitam a parar e montar piquetes. Os trabalhadores dos transportes não pararam pura e simplesmente, não, estão a trabalhar para trazer gente à manif! Numa Greve Geral, os sindicatos e camadas populares não apenas se resignam e baixam os braços, mais do que isso, tomam o controle da situação! Gerem as comunidades, em última análise tomam o Poder e gerem o país!

É verdade, como disse no início, a situação na Grécia está mais adiantada (esta é a enésima greve, não a primeira), a tradição política na Grécia também é diferente. Mas o que se está lá a passar agora serve de lição e contradiz algumas definições mais rígidas do que é uma greve. O que lá se está a passar agora aponta para o que de facto é uma Greve Geral capaz de alterar a realidade. Por n motivos a greve geral de 24 de Novembro, não será como “a Mãe de todas as greves”, mas temos de começar a apontar baterias para aí, temos de a cada protesto começar a construir uma greve geral mais nos moldes do que hoje e amanhã (e veremos depois) se está a passar na Grécia.

Acabando num tom unitário, cito um comentário feito ao meu anterior post, muito, muito verdadeiro, acerca do que se passou a 15 de Outubro.

«Resumiria assim. Este movimento perderá sempre que se contrapuser ao movimento organizado dos trabalhadores (e suas organizações de classe). O país perderá sempre que os movimento organizado dos trabalhadores (e suas organizações de classe) se distanciarem deste movimento.»

Voltando à Grécia. O que lá se passar, além de um exemplo, poderá também directamente influenciar as nossas vidas, veremos, parece-me que na Grécia se está mesmo a atingir um ponto de ruptura e o actual regime está condenado. A questão é o que é que o irá substituir…

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , . Bookmark the permalink.

28 Responses to Grécia, a mãe de todas as greves (com Manifestação e Cerco ao parlamento)

  1. Pingback: A propósito do menu McGreveGeral encomendado | cinco dias

Os comentários estão fechados.