Grande Canijo

Realismo cru e bruto, a força dos sentimentos nos ambientes mais difíceis e claustrofóbicos, cenas inesquecíveis (a do karaoke ou da violação final, por exemplo, grandes interpretações (poderia falar dos outros, mas destaco o trio Anabela Moreira, Rafael Morais e o grande Nuno Lopes, talvez o mais eclético actor português)… “Sangue do Meu Sangue é um dos grandes filmes do ano.

Um pouco nos antípodas de “Cisne”, uma experiência demasiado psicótica e afastada do Mundo. Tem a fabulosa Beatriz Batarda, uma óptima banda-sonora e cenas fortes, mas o retrato das personagens perdidas e à procura de um ramo é, neste caso, demasiado difuso para que a história seja significativamente intensa.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.