Nova Rubra, nº 11

Três economistas marxistas, três visões sobre a crise. Para Anwar Shaikh e François Chesnais a crise é sobretudo uma crise financeira decorrente da política de crédito desde a décade de 70;  para José Martins é uma crise de desvalorização do capital na produção que se manifesta financeiramente. A polémica é discutida aqui em duas grandes entrevistas a Shaikh e Martins, seguidas de um imperdível artigo de François Chesnais.

Em comum, estes três economistas têm a denúncia da dívida como um mecanismo de transferência de recursos públicos para o sector privado e a prova de que os trabalhadores pagam mais para o Estado do que recebem.

Entrevistámos Sebastien Abbet, 27 anos, carteiro há 11 anos, militante do Movimento para o Socialismo Suíço, partido que organiza todos os anos O Outro Davos, na Suíça. Simpático, afável e radical fala-nos do «país refúgio» da burguesia europeia, que tem uma população activa de 2 milhões e meio de trabalhadores, exactamente o mesmo número de trabalhadores fora do país que trabalham em multinacionais suiças.

Para o marxismo existe «democracia real» sem conteúdo de classe?/ Um artigo de fundo do historiador Felipe Demier.

Crianças sem espaço para a imprevisibilidade e a aventura nas cidades modernas.  A rua deve voltar a ser um local de encontro, e não de passagem. / Um artigo da psicóloga Filipa Lopes.

Do jazz à música contemporânea ou pós-modernista, diversas são as influências da obra de Debussy. Um artigo do músico Tiago Sousa.

Os imigrantes portugueses no Brasil estavam longe da imagem de passivos, «amarelos» menos conscientes e organizados que deles deu alguma literatura anarco-sindicalista. Um artigo do historiador Paulo Cruz Terra.

Para assinar: www.revistarubra.org

À venda a 15 de Outubro, nas manifestações que se seguem e na Livraria Letra Livre, na Calçada do Combro, Lisboa.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

2 respostas a Nova Rubra, nº 11

  1. RuiB diz:

    Nem preciso de ler a entrevista de Anwar Shaikh (de que tenho curiosidade) para concluir que não tem o menor fundamento a afirmação de que “a crise é sobretudo uma crise financeira decorrente da política de crédito desde a década de 70”.
    Quem conheça minimamente a sua obra, sabe que para este autor a crise se deve ao declínio da taxa geral de lucro (ajustada para uma capacidade de utilização normal), à recorrência em ciclos longos de depressões económicas, cujo período e forma de manifestação podem ser alterados por factores conjunturais, mas sem ver negadas as leis intrínsecas do seu movimento.
    Mesmo os factores estritamente financeiros, como por exemplo o abaixamento generalizado das taxas de juro a partir dos primeiros anos da década de 80, são por ele fundamentalmente explicados pela dinâmica objectiva da acumulação capitalista (no caso das taxas de juro, com o nível dos preços e não com a alteração deste nível, como na teoria convencional) e não, ou apenas desprezavelmente, por quaisquer “políticas de crédito”.
    Das duas uma, ou a entrevista está muito mal traduzida ou a Raquel não percebeu nada. É com toda a segurança que o afirmo, mesmo antes de a ler. É difícil deturpar-se mais o pensamente de um autor.

    • Raquel Varela diz:

      Estimado RuiB,
      Se lesse a entrevista evitava comentários indelicados. Porque uma coisa é o que Shaikh pensa da crise estruturalmente outra coisa é o que pensa da crise de 2008, que claro estão relacionadas mas para este autor o que rebentou em 2008 foi o crédito enquanto que para José Martins o que provocou a crise em 2008 foi a queda da produção norte-americana, nomeadamente no sector automóvel.
      Raquel V (Varela)

Os comentários estão fechados.