Lutarmos juntos

Renato, se leres o meu post novamente perceberás que é sobre o PCP e a exigência de controlo sobre os seus militantes, que alguns fazem. Não é sobre o acontecimento em si. O que penso sobre a fotografia ou sobre a inauguração são coisas pouco importantes para serem escritas. Reservo-as para os momentos em que, como referes no último parágrafo, não seja tão necessário “lutarmos juntos” para fazermos a “luta toda”. Ideia que não praticas neste post.
Como diz o Samuel nos comentários, muitos dos assalariados com a tarefa de vigiar esta praia terão ficado contentes com o teu escrito.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

6 respostas a Lutarmos juntos

  1. Renato Teixeira diz:

    Repondes Tiago, mas recorrendo apenas ao pior dos papões. A discussão política é inimiga da unidade?!?

    Porque razão não disse a FENPROF água vai quando professores desempregados ocupam o Ministério da Educação? Porque não apoia o 15O pelo menos na medida do apoio que recebeu dos movimentos?

    Nota que relego para segundo plano o folclore jardinista, que em plena campanha teria sido, no mínimo, evitável, falo de objectivos maiores.

    Os que vigiam esta praia contam mais com o Mário Nogueira do que com aqueles que querem ver, como em Nova Iorque, sindicatos e movimentos sociais em sintonia.

    http://www.portaldoholanda.com/noticia/83591-sindicatos-de-nova-york-aderem-aos-protestos

    Se faz sentido lá porque se hesita por estas bandas?

    • Renato Teixeira diz:

      Faltou dizer, claro, que se leres o meu post novamente perceberás que o que penso sobre a fotografia ou sobre a inauguração são coisas pouco importantes para serem escritas. 😉

    • Tiago Mota Saraiva diz:

      O “pior dos papões” é um certo sentido táctico?
      Não faço ideia o que disse a FENPROF sobre os professores que ocuparam o ministério nem que apoio gostarias que desse ao 15O. Não te esqueças que qualquer coisa que a FENPROF dissesse, seria objecto para comentários como: lá estão os comunas a tentar engolir o movimento.
      Renato, convenhamos que em NY estamos num contexto bem diferente. Não é comparável.

      • Renato Teixeira diz:

        Os contextos não são comparáveis, nunca são, mas a haver maior fragilidade aqui não é de supor que a unidade é ainda mais necessária? Espreita o link e a vai navegando nas notícias que chegam de lá. A adesão dos sindicatos está a ser cada vez mais uma realidade. Gostava de ver o mesmo acontecer por cá. Só isso.

  2. José diz:

    Enquanto assalariado com a tarefa de vigiar esta praia, venho, por este meio, agradecer profundamente ao Renato Teixeira os posts dele sobre o Mário Nogueira, que até já me renderam um bónus…
    Sinceramente, Tiago, torna-se ridículo o sentimento de acossado paranóico que transmite na sua última frase!
    Não o via como o Jdanov deste blog, a exigir uma forçada unicidade de pensamento face ao exterior hostil.
    Não partilho da generalidade das convicções políticas dos autores deste blog, que é, porém, um excelente espaço de discussão política à esquerda, plural e aberto, tudo o que me faz por aqui andar.
    Se não quer que haja “assalariados” (?) vigilantes, não seria melhor fazer do blog um clube fechado a iniciados?

Os comentários estão fechados.