Dos que falam enquanto nos vão ao bolso

Sinto o mesmo que o Nuno quando oiço Teixeira dos Santos.
Eu quero lá saber que o pior ministro das finanças da Europa na sua altura, aconselhe o seu partido a aprovar um orçamento às cegas. A declaração apenas demonstra a preocupação de manter a solidez do bloco central, ainda que seja ao abrigo da mais incompetente decisão política.
Mas a minha questão é outra. Teixeira dos Santos, qual professor sem passado, tem a distinta lata de justificar a cega aprovação pelo facto de haver a necessidade de “assumir o programa de correcção”. Correcção. Correcção do que o próprio fez.
Por outro lado, sendo racional, se o conselho de Teixeira dos Santos é para que se aprove, é porque o melhor para o país deve ser exactamente o contrário. Repare-se que este é uma daquelas figuras que sempre falhou nas previsões e políticas.
Basta procurar um pouco na Internet que se encontra as mais alucinadas declarações deste ex-ministro. Por exemplo, nem sequer é necessário recuar um ano, para encontrar Teixeira dos Santos a declarar que Portugal está a reagir bem à crise da dívida.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.