Uma rosa anarca

Pensando bem, vivi (por essa ordem de percepção e memória) o «Adeus, até ao meu regresso», a chegada à lua, a revolução portuguesa, a contra-revolução portuguesa, a revolução sandinista, a decrepitude soviética, a integração europeia, a perestroika, a queda do muro de Berlim, o cavaquismo e a desindustrialização, a internet, a globalização dos mercados financeiros, os linchamentos e motins de Maputo, o caniço urbano e alguma ruralidade moçambicana dos dias normais e de festa, o socratismo, a crise de 2008/20?? …

Será de admirar que, cá em casa, até as rosas sejam um bocado anarcas?

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

4 respostas a Uma rosa anarca

  1. silva diz:

    Exmºs Srs. (as) Deputados, eleitos penso eu que seja verdade, porque hoje em dia já ninguém sabe, quem é que defende os interesses de Portugal.
    Gostava que alguém me explicasse, que o cidadão ao deslocar – se ao tribunal de cascais para saber do caso do despedimento colectivo do Casino Estoril, assunto que já se arrasta à mais de um ano e meio, um dos funcionários do tribunal, respondendo à pergunta do cidadão.
    O informou que o caso está entregue ao juiz, mas que o melhor era o cidadão arranjar emprego.
    Isto ultrapassa a mais séria verdade da justiça em Portugal, será que o Casino Estoril que muita gente sabe desde a operação furacão à construção do Casino Lisboa, agora também manda no tribunal de cascais.
    É um absurdo um funcionário do tribunal, falar como falou para o cidadão, porque já não chega a injustiça dos organismos do estado que deram total cobertura a esta farsa do despedimento colectivo, ainda assim o tribunal sugere que o cidadão procure emprego.
    Afirmo que este assunto posso eu próprio garantir que até morrer, isto vai ser falado desde blogs, nos cafés, bem em tudo o que é lugar, porque a justiça devia ser o garante da liberdade do ser humano.
    Não é admissível, qualquer individuo porque exerce cargos cívicos ou de certa importância na economia do país, que tem o direito de despedir 112 trabalhadores em substituição de precários, e o estado dá apoio nesta decisão.
    Quem acredita que PORTUGAL sai da crise, com este tipo de gente no País.

  2. Já viverás mais, o importante é ir plantando dessas rosas.

Os comentários estão fechados.