Lições do 12 de Março, a pensar nas aulas do 15 de Outubro (XIII)

Hoje é o primeiro grande dia de luta contra a austeridade desde as eleições. Serão milhares a responder ao chamado do movimento sindical, e darão uma primeira resposta ao governo do Passos Coelho e da Angela Merkel. O movimento do 15 de Outubro responde afirmativamente ao chamado de luta da CGTP, mas desce a rua com dois convites: que no final da manifestação se comece por trocar algumas ideias no Rossio e que dia 15 todos participem na manifestação internacional. Assim estão a fazer muitos sindicatos um pouco por todo o mundo. Parece-lhe bem que o mesmo aconteça Vítor Dias? E a si Luís Fazenda?

Ao fim da tarde, a melhor notícia que os trabalhadores poderão ouvir, será a convocação, na intervenção do Carvalho da Silva, de uma greve geral. Ainda assim, o anúncio de que a CGTP se junta às ruas no próximo dia 15 de Outubro, já seria suficiente para pregar um susto aos mercados e um excelente contributo para fortalecer a luta. A ver vamos. É já daqui a pouco.

[a 15 dias das ruas voltarem a ser nossas]

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

10 respostas a Lições do 12 de Março, a pensar nas aulas do 15 de Outubro (XIII)

  1. JgMenos diz:

    Assembleia Popular!
    Mal posso esperar pelas conclusões!
    Enfim, um rumo regenerador para o país!

  2. vítor dias diz:

    Sinceramente, para além de Renato Teixeira não ter o mais pequeno sentido das proporções nem das responsabiliadades de organizações como a CGTP, não me parece necessário qualquer hipotético apelo de Carvalho da Silva a favor de dia 15, porque o renato já disse antecipadamenete que essa assembleia tinha tudo para ser uma das maiores desdes os tempos do PREC.

    • Renato Teixeira diz:

      O Carvalho da Silva não falou do 15, nem da greve geral, mas fez uma referência simpática ao surgimento de movimentos como o 12 de Março, dos Precários e afins. Pena que essa informação não tenha sido passada aos camaradas que estavam a fazer a segurança da manif e continuam a haver arrufos tão infantis quanto desnecessários.

      A CGTP ficou-se por uma semana de luta no final do mês. Não lhe parece pouco?

      A Assembleia Popular tem tudo para ser uma das maiores desde os tempos do PREC, “quando toda a gente assim quiser”. O Vitor Dias parece querer ainda menos do que a CGTP e diria mesmo que uma parte cada vez mais significativa do PCP. É pena. No dia 15 teria, como todos os outros, direito à palavra, à proposta e ao voto popular. O convite continua de pé. Naturalmente.

  3. Frank diz:

    O Carvalho da Silva que se deixe de chavões populistas e da conversa do costume, que começe mas é a defender os verdadeiros interesses dos mais pobres e dos trabalhadores!
    Então as privatizações, da RTP, EDP, REN, CP e companhia, são vendas a preço de saldo?
    O que é que o gajo prefere! A continuar como estão, só servem para dar cadeiras e tachos aos boys da máquina partidária! E para contribuirem para negociatas escandalosas e dividas absurdas que só dão má magem das nossas EP lá fora! Assim ao menos aperta-se o cerco e começam a faltar cadeiras para os “boys” do costume!

    • De diz:

      É assim que se “trabalha”.Desanca-se na CGTP,enquanto na mesma onda se defendem de forma manhosa as privatizações.Como cereja no topo do bolo fala~se nos boys,nos seus lugares e veja-se bem,até na imagem das “nossas” EP lá fora…

      É que este Frank defendia há pouco Merkel ao ponto de afirmar:”compreende-se que a senhora Merkel, afirme na perda de soberania, isto é que alguem venha cá controlar politica e economicamente o uso desse dinheiro…Fico com a impressão que se os alemães estão certos então não nos fazia nada mal fazer um pouco como eles….”…e continuava “Neo-liberal, o que é isso? Vai doer vai, ninguém gosta que lhe mexam no quintal, mas às vezes têm que ser, caso contrário só crescem ervas daninhas!”

      A suspeita com que (eu) fico é que Frank anda afinal a “preparar” o mercado.A tentar dar o seu empurrãozinho para a venda ao desbarato de algumas das nossas empresas…a preço de saldo como alguém e bem dizia.
      A dúvida que resta é se recebe alguma comissãozinha de Merkel…ou se tudo isto é feito em nome da sua inquebrantável fé nos mercados e no neo-liberalismo

      Neo-liberalismo que “por acaso”nos tem governado e sob o qual proliferaram e proliferam os tais boys referidos acima.
      Algo que como é evidente não cabe na prosa de Frank…

  4. Frank diz:

    Mais uma vez parece que só defendes aquilo que te apetece, apenas por defender. Por vir com uma prosa que gostas de ouvir sem pensar um pouquinho, sim não será preciso pensar muito para perceber, que não basta por si só atacar o capital! Como demagogia filosófica! Se queremos defender o interesse dos trabalhadores, não é com os boys no conselho de administração, a receberem ordenados abismais!
    Então a CP com 196 quadros de topo, chefias, sim de topo com salários médios de 3000 euros não deverá ser posta nos carris? Há males que servem para grandes curas, se não nos podemos ver livres dos boys, privatize-se, vais ver que eles saem logo na próxima paragem.
    E os amigos começam a dizer…epá a coisa está difícil!
    Says contribui, com qq coisa util, vá lá não é difícil.

    • De diz:

      Há quem ainda pense que as coisas nascem por geração espontânea…É o caso de Frank que,enrodilhado nas sua ânsia privatizadora,agita o teclado com números sobre os “boys” na CP…
      Por favor alguém aí diga ao Frank que quem é responsável pela nomeação de tais conselhos de administração são os governos.O estratagema foi utilizado bastas vezes após o 25 de Abril pelos governos de direita.Põem-se nas empresas públicas alguns dignitários com o objectivo antecipado de contribuir para a ruína destas,de molde às ditas empresas encontrarem posteriormente um “bom comprador”, claro está que “privado”.Tal comprador privado terá assim uma dupla benção.A riqueza do país cair nas suas privadas mãos.E cair a um preço de saldo graças à porfiada acção dos tais boys seleccionados.Os exemplos são múltiplos. Mais. Envolvem mesmo ex-governantes com nome sonante,cuja actividade em prol do bolso amigo ultrapassou os próprios conselhos de administração locais.Quem não se lembra da figura de Ferreira do Amaral e os seus contactos com a Lusoponte?E da recompensa da sua acção com o lugar que lhe coube posteriormente ? Adiante.
      Aquando das privatizações iniciadas por essa coisa sinistra chamada bloco central,deram-se as mais variadas razões para o benefício de tais medidas.Foi o que se viu.A tal livre concorrência foi uma farsa.Os ditos “utentes” viram as”melhorias ” que houve.O estado perdeu os dividendos das ditas empresas.A fuga “legal” ao fisco foi a palavra de ordem.Filipe Diniz põe o dedo na ferida quando diz:”O Estado não só vem transferindo para o sector privado o que é rentável, tanto no sector empresarial como nos serviços públicos. O Estado age também no sentido de que esses sectores se tornem ainda mais lucrativos e rentáveis, nomeadamente através das comissões ditas «reguladoras» para a fixação das tarifas e dos preços, dos benefícios fiscais, da tolerância face ao funcionamento em cartel, ao desinvestimento, à fraude e à evasão fiscal, de uma política laboral que incentiva o constante agravamento da exploração dos trabalhadores”
      A situação é esta.Falta dizer muito .Mas agora interessa dizer o papel desempenhado pelos papagaios na defesa das privatizações ruinosas para o país,para a economia nacional e que apenas servem o interesse dos grandes grupos económicos.Como começam a faltar argumentos para as ” vantagens” de se deixar em mãos privadas o que deve ser de todos,aparecem alguns a agitar o espantalho dos boys .
      Esquecem-se claro,que tais nomeações são feitas a partir dos mesmos poderes que encomendam as privatizações.Ou seja,os tais boys são filhos dilectos do poder de direita que governa.Poder de direita que se move na defesa dos grandes interesses económicos,os tais precisamente que se vão apropriar das empresas a privatizar.
      O esquema está bem montado.É preciso encontrar todavia sempre os actores que cumprem as funções para que foram nomeados.E Frank ,com este seu “texto ” curioso é mais um a tentar.
      Não é só preciso ter descaramento…

  5. closer diz:

    O texto do Fazenda para que o link remetia, parece-me bastante bom. Não concordo integralmente com ele (sobretudo nas considerações iniciais sobre o anarquismo que me parece desvalorizado), mas representa uma tentativa de reflexão de um marxista sobre os novos movimentos emergentes.

    Muito diferente, afinal, do autor deste post sempre mais propenso ao chavão e à boca venenosa do que à reflexão serena.

  6. Pingback: O estalinista é o Mário, não o Tiago. Está na hora de fazer como na América! | cinco dias

Os comentários estão fechados.