«International Mankind Fucker»

Ouvi por aí que na Grécia há dezenas de comités, de cidade e de bairro, contra o pagamento da dívida. Talvez queira isto dizer que por lá a guerra social da burguesia aos trabalhadores começa  a ter uma resposta, a guerra dos trabalhadores à burguesia. Por cá o medo ainda fala mais alto, ainda estamos à procura da burguesia progressista, honrada, que morreu, na hipótese mais optimista, em 1910. Deve ser por isto que a nossa esquerda parlamentar tem propostas que se antecipam 6 meses a Durão Barroso (eurobonds) e 1 ano aos patrões dos patrões (renegociação da dívida). Veremos o dia que a banca será toda nacionalizada pela mão do Bloco Central. E vamos agradecer-lhes, salvaram a economia «nacional» (que morreu há 500 anos…).

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

7 respostas a «International Mankind Fucker»

  1. Vitor Ribeiro diz:

    A ‘memorável’ era inaugurada pelo senhor de Boliqueime e fielmente seguida pelos seus sucessores que permitiu a muita gente enriquecer fácil e rapidamente e a muitos outros adquirirem uma falsa ideia de prosperidade, amoleceu fortemente o sentido cívico e crítico de muito boa gente, que entreteve a cuidar da sua vidinha, comprando (a crédito fácil e barato) casa, carrinho e excursão às Caraíbas. Só quando a ilusão passar de todo, só quando a malta acordar do torpor e se convencer que ninguém dá nada de barato, só quando a coisa apertar mesmo, mas mesmo a sério, é que se pode esperar alguma reacção. Até lá, é esperar sentado, porque a julgar por aquilo que eu já me cansei de ouvir por aí (‘os outros não fariam melhor’…) e pelos sucessivos resultados das eleições, o povo (seja lá o que isso for) tem aquilo que quer (uns de forma activa, outros de forma passiva).

    • De diz:

      Mas era o que mais faltava!

      Esperar sentado?
      Ai de quem assim procede.Está derrotado à partida

      • Vitor Ribeiro diz:

        Meu caro: ‘esperar sentado’ pela ‘guerra dos trabalhadores à burguesia’, pois à parte os militantes do costume, não vislumbro grandes massas a encherem as ruas (infelizmente, para que não fiquem dúvidas, pois uma coisa são os meus, ou nossos, desejos, e outra coisa, bem diferente, a realidade que nos rodeia). Pela simples razão de que o garrote ainda apertou o suficiente e o individualismo tomou conta da sociedade, com cada um a só a olhar por si julgando, erradamente, que não é nada consigo). Infelizmente.

        • JMJ diz:

          e perante isso podemos…

          … ficar sentados a chorar as nossa fraquezas….

          … ou ir à procura das “grandes massas” e tentar mobilizar mais alguém!

          Eu escolho a segunda hipotese, e o Vitor Ribeiro?

        • Vasco diz:

          Ou então falamos com os nosso colegas, amigos, vizinhos e vamos todos à manifestação da CGTP-IN no sábado. Boa?

  2. De diz:

    Caro Vitor Ribeiro:
    Olhe que a maré está a encher.
    E cabe-nos a nós dar uma ajuda.
    Um abraço com a convicção firme que lá estará
    Onde for preciso

  3. Vasco diz:

    Quanto às bocas à «esquerda parlamentar», é o costume. A Raquel e os seus quatro amigos, sim, são iluminados. Pena não estarem no Parlamento.

Os comentários estão fechados.