Adeus Feirense – em defesa do hooliganismo

A dois pontos da liderança, o mesmo número de vitórias do que os três grandes e o Marítimo (compreende-se, Alberto João Jardim está em campanha e a precisar de tapar buracos), terceiro melhor ataque da liga, quarta melhor defesa, um dos melhores marcadores do campeonato, o ponta-de-lança da selecção portuguesa se o Paulo Bento não fosse enteado do Postiga, nenhum golo sofrido em casa e o futebol mais bonito do campeonato português. Isto tudo com a agravante de ter um lagarto no meio campo que no entanto teria lugar em qualquer posição da equipa do Sporting. Se não fosse escandalosamente roubada no jogo contra o Benfica estariam os lampiões em quinto e a briosa no topo da tabela. Nada de grave. Para a semana limpamos o sebo aos macacos.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

33 respostas a Adeus Feirense – em defesa do hooliganismo

  1. LAM diz:

    ahahah, parabéns. Suspeitava que com o Pedro Emanuel a coisa ou vai ou racha. E, até agora, não tem desiludido.

  2. daniel maia diz:

    no teu lugar não estaria tão confiante… prá semana chega um daqueles dois dias do ano em que se tem de abrir as pernas pró patrão…

  3. pedro santos diz:

    Para a semana começa o principio do fim, é a vida para o ano à mais ou não depende se continuar ou não esse villas boas da vandoma é lá que se aprendem os hábitos embora se possa ir mudando de lugares. A académica até é simpática mas o resto não cheira.
    Prefiro os posts sobre politica parece o território natural do blogue. Claro que sou lampião mas nem me preocupo com a académica afinal só existem para complicar meia duzia de jogos, depois o investimento fica pago mas sem o carácter e sem a glória.
    abraço

    • Renato Teixeira diz:

      Lampião que não se preocupa com a Académica é fraco de memória. 😉

      • Vitor Ribeiro diz:

        Se os ‘lampiões’ (seja lá o que isso for…) se preocupassem com a Académica (ou com outro qualquer pequeno clube, ou com o futebol nacional no seu todo, ou com a verdade desportiva) jamais permitiriam que os caciques que dominam o seu clube negociasse os direitos televisivos da maneira que o está a fazer.
        Já agora, Renato, já tem idade para saber que o futebol só tem servido para estupidificar ainda mais um povo que caminha a passos largos para a mais completa estupidificação.

        • Renato Teixeira diz:

          O que estupidifica o povo é sobretudo a falta de qualidade de vida.

          • Vitor Ribeiro diz:

            Posso-lhe perguntar em que mundo vive? Vá até ao cafézito aí do bairro (desse ou de outro qualquer) e oiça as conversas. E acorde, que você é bem capaz de escrever algo bem mais inteligente e pertinente do que isso (e é por isso que gosto de o ler).

          • Renato Teixeira diz:

            Deixe lá isso. A Académica não ganha assim tantas vezes.

          • De diz:

            Quase um programa!
            Uma boa frase.Hoje em dia, revolucionária

          • Andrés diz:

            Julgava que fosse a falta de qualidade de vida que despertasse o povo, mas enfim…

          • Renato Teixeira diz:

            Oh Andrés, despertar não é, à partida, antagónico com a estupidez. É o primeiro passo e condição primordial para a largar, não um toque de Midas.

  4. l'outre diz:

    Ai a dor de cotovelo …

  5. JMJ diz:

    O clube dos intelectuais burgueses de coimbra está a dar-se bem no campeonato? Pois parabéns para eles…

    Se o Renato algum dia defendesse a classe operária, era do União!

  6. pedro santos diz:

    No futebol cabem todos em todo o lado até no freixo e arredores.
    Quando falamos de classe operária falamos de outras lutas onde não entra o futebol nem se passa somente ao fim de semana.
    É preciso continuar atento, o futebol fica para depois… apenas para descontrair mas com memória

  7. António Paço diz:

    Entretanto, numa outra liga perto de si, três nomes de respeito ocupam o pódio: Atlético, Leixões e Belenenses!

  8. Pingback: Adeus Pereira, Olá Ferreira! | cinco dias

Os comentários estão fechados.