Coisas que não se dizem em conferências muito finas sobre segurança (Diz, Mia. Diz!)

 
É verdade que o medo também tem as suas raras vantagens históricas. Afinal, foi o medo do comunismo que permitiu a construção do welfare state e umas décadas de mais justa distribuição da riqueza entre o capital e o trabalho.
 
Mas posto isto, se um dia juntarem o Mia e o Denis Duclos a falarem acerca do terrível perigo actual do medo (e da ideia de vivermos numa “sociedade do risco”), não se esqueçam de avisar.
 

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

6 respostas a Coisas que não se dizem em conferências muito finas sobre segurança (Diz, Mia. Diz!)

  1. Orlando diz:

    Partilhei, achei notável esta intervenção, é tudo resumido, aquilo que penso. Se gostava deste homem, ainda o admiro mais.

  2. RC diz:

    Exacto, tal como o medo do diabo alimentou (alimenta) a fé em Deus durante séculos.

  3. De diz:

    Clap! Clap! Clap!

  4. Pingback: Intervenção de Mia Couto |

  5. Pingback: O medo | Aventar

  6. Tiago Saraiva diz:

    Obrigado Paulo. Enquanto ouvia o Mia Couto não podia deixar de pensar como a coisa ia tão bem à tua escrita. Um abraço do teu admirador californiano.
    Tiago

Os comentários estão fechados.