«Um exemplo supremo na vida democrática do que é um político combativo»

Quem o disse sobre Alberto João Jardim foi Jaime Gama, à época, Presidente da Assembleia da República. AJJ sempre viveu com o apoio do Bloco Central. Mantinha-se o offshore compunha-se o buraco de uma dívida construída à custa do povo, da Madeira ao continente. Ainda que AJJ possa cair ficam muitas questões por responder.
Havia ou não instrumentos democráticos para fiscalizar? Porque não funcionaram? Se não existiam, porque seria? Porque será que se repetiam os elogios do Bloco Central a Jardim? “Obra positiva“? “Economicamente sério“? É nestas questões que devemos concentrar a nossa indignação.
Culpar os madeirenses pelo buraco que AJJ e os seus amigos foram criando, como faz Vital Moreira, regionaliza o ódio e desvia as responsabilidades de quem teve responsabilidades. É primário e hediondo.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

22 respostas a «Um exemplo supremo na vida democrática do que é um político combativo»

  1. Augusto diz:

    Quem tem votado em Alberto João Jardim, quem o defende, é uma boa parte do povo da Madeira.

    Tentar escamotear isso, certamente é prestar um mau serviço á democracia.

    Aliás um dirigente do PCP em campanha na Madeira , não foi assim há tanto tempo, dizia que na Madeira não havia nenhum défice democrático.

    Foram tambem declarações deste teor que ajudaram Jardim.

    Por isso independentemente das razões porque o fizeram , quem vota em Jardim , é responsável pelos desmandos do dirigente do PSD -Madeira dos seus seus amigos.

    • De diz:

      Há qualquer coisa de oportunista neste texto.

      Uns olham para o umbigo
      Outros olham para o umbigo eleitoral

      Sem perceberem sequer a pequena diferença que os separa dos mercadejadores de votos
      ou dos vendedores de banha da cobra,escondidos atrás de princípios segregacionistas um pouco xenófobos

  2. Pingback: Madeira: nosso espelho « APEDE

  3. Vitor Ribeiro diz:

    Tiago, vai-me desculpar (e se não, paciência), mas é tempo de nos deixarmos de pruridos: quem foi que elegeu sucessivamente esse individuo? Fui eu? Foi você? Foram os marcianos? Claro que eles (os madeirense, não os marcianos…) não têm culpa (directa) do(s) buraco(s). Mas só quem não conhece aquela ilha (ou será melhor chamar-lhe queijo suíço?) e como é que aquela sociedade funciona é que pode achar que andavam todos enganados. Tirando meia-dúzia de infelizes que se vêm obrigados, por necessidade, a trocar o seu voto por uma prato de lentilhas (a esses, sim, não se pode assacar quaisquer responsabilidades), o resto sabia muito bem em quem estava a votar e porque é que o fazia. Quando se vê os resultados de sondagens como a da Univ. Católica que foi ontem divulgada (e que qualquer conversa de café pode facilmente validar), não pode ficar com grandes ilusões quanto à sabedoria do ‘povo’. É verdade que à primeira, todos caem… mas elas já são tantas, tantas, que já não se percebe se é burrice, estupidez ou masoquismo.

    • raf diz:

      e claro aplicarmos isso tudo também ao povo português, que ha sensivelmente o mesmo tempo que aposta no bloco centrar (que tirando os acessores de imagem, não é diferente do AJJ)

  4. Pina diz:

    O Vital Moreira é bem o exemplo de quem deliberadamente mente e escapa ao fisco, ao mesmo tempo que ataca os privilégios de trabalhadores e acusa outros de serem pouco sérios. Os artigos de opinião que o Vital Moreira escreve para o Diário Económico sao pagos em viagens da TAP, fica a ganhar o Vital que não declara esse rendimento e ganha o Diário Económico que tem permutas com a TAP e depois ainda declaram como despesas, perde o país e os portugueses com estes trafulhas.

  5. Nuno Mendes diz:

    Nem uma palavra sobre a vergonhosa condenação de Otegi?

  6. mamamia diz:

    Atão,não vai uma posta amiga para o puder judicial que alijou as culpas,coitados,do oliveira costa e do dias loureiro?O que isto quer é julgamento popular,pq os juízes há muito que fazem parte do problema!A começar pela aventesma do juíz barata,do presidente da republica das bananas ,que acariciou materialmente um PIDE asqueroso enquanto pessoas q lutaram ppela Liberdade ou estão na miséria ou morreram ,com muitas dificuldades financeiras…
    Creio na Ciência ,nas Teorias do Caos(eqº diferencias do 2º grau,singularidades) e ,esta merda do Capitalismo vai explodir não tarda nada).
    Um sugestão: na continuação da pouca vergonha que tal substituir as praças /rotundas 25 de abril como a praça Dias Loureiro e/ou Oliveira (e) Costa e pq não uma estátua a cada uma destas aventesmas,tal e qual como a do francisco sá carneiroe a sua (envergonhada golpada na CGD,com os 33 mil contos),para além da sua amizade com terroristas empregados na GALP como o Ramiro Moreira, que para mim será sempre Praça do Areeiro.
    Esta merda precisa de uma lavagem e,de que maneira!!!!!

    Em relação ao bicho da Madeira falem com quem sabe,desde o chefe da Policia que ia buscar o produto ao aeroporto (aqui há uns 15 anos atrás),as parcerias público privadas,a empresa de transportes para o Porto santo,as camara municipais TODAS em tribunal com os juizezinhos amestrados pq,esses palhaços invertebrados(menos aqueles q não aguentaram aquela mafiosidade e se vieram embora) se estão cagando para a JUSTIÇA e são pela ignominia!

  7. a anarca diz:

    Que miséria !
    A foto prova bem o concluio entre os bandalhos
    pior que o AJJ só o Socras um psicopata armado em amo do universo .
    Há que inovar nos castigos …
    é corrê-los ao pontapé ..

  8. mamamia diz:

    Mais:quem se quer suicidar que se faça suicidar juntamente com filhos da puta!!!!

  9. mamamia diz:

    Mais:vão investigar a ‘Agência de Viagens’ Barbosa mais o seu infiltrado na judite.

  10. RS diz:

    Então um deputado europeu, eleito pelo PS, escreve “Venda-se a Madeira!” e o seu secretário geral ainda não lhe retirou a tão mencionada “confiança política”?

  11. A Anarca diz muito bem o que a foto mostra.
    Mas a mesma mostra muito mais para quem sabe ler os gestos ao invés das palavras (que essas não interessam para nada )
    Vejam as posições das mãos do Alberto J.J…vejam quem está á sua frente e a quem está ele a pedir ajuda e conivência.
    Vejam no Noticiário de hoje o gesto que ele faz a meio do discurso com o Microfone nas mãos…ele não é parvo e sabe quem manda….e o povo não é de certeza.
    Ele sabe muito bem a quem está a pedir ajuda….é aos mesmos que tratarão de branquear a condenação de Oliveira e Costa e o seu Bando de Loureiros.
    A C. Social sabe muito bem que imagens passam.

  12. De diz:

    Quando a Grécia começou a abrir buracos,surgiram logo vozes,sobretudo no centro da europa, a verberar os gregos pelo sucedido.A culpa seria não só da governação mas também dos gregos,das suas características como povo e outras tretas do género.
    O pior é que entre os portugueses gente houve (e com bastas responsabilidades) que se apressou a imitar tal padrão e proclamou alto e bom som que Portugal não era a Grécia.Lembram-se?
    Entretanto o mundo girou mais um pouco.Portugal começou a ser apertado.Eis que de novo surgem as críticas abertas,vindas mais uma vez da europa central,recomeçando as “bocas” à forma de trabalho dos portugueses,, gozo de férias,sindicalismo e outros “paleios” que me abstenho de repetir.Mais uma vez se ouve a voz,agora vinda de Espanha,que eles,espanhóis,não eram os portugueses da europa.Lembram-se disso?
    Obama declararia o mesmo.
    De crise nacional em crise nacional o cenário repete-se.E espantosamente ninguém parece ver o padrão comum..
    Surge agora a Madeira.O PSD da Madeira é o principal responsável.Ele e os que serve,que manobram e que ficam na sombra.Mas há que não esquecer a pegajosa cumplicidade entre o governo regional e os nossos governos centrais.Há que não esquecer os namoros mais claros ou mais escuros entre o poder do soba da madeira e os nossos governos,de que os encómios de Jaime Gama são o melhor exemplo.Há que não esquecer os “negócios” esconsos entre os líderes madeirenses e os líderes do PSD nacional.Há que não esquecer como falharam todos os mecanismos de controlo da situação,perante a passividade de quem devia ter agido e não agiu.Há que não esquecer que ao que parece estes últimos buracos eram do conhecimento já de sua exª o presidente da republica.
    A promiscuidade entre os poderes sobra e transparece.Fede.Pelo meio dos berros de Jardim,pelo meio daqueles tristes espectáculos a que assistíamos,há um mar subterrâneo de jogatanas,cumplicidades,”encostos” e trafulhices comuns,escondidas dos olhos dos cidadãos e serenamente evitadas e ocultadas pelos nossos poderes e em grande parte pelos media(até achavam piada aos desmandos do dito soba)(salvo honrosas excepções)
    Mas o que se passa,exemplar paradigma do funcionamento deste regime a que chamam democrático,não nos deve voltar a repetir os mesmos estribilhos que são comuns a quem apenas olha mais para o umbigo do que para as reais causas do problema.O imputar o odiento da situação aos madeirenses no seu conjunto é ocultar não só os responsáveis pelo sucedido como também é não ser solidário com as vítimas de tais acontecimentos.É não saber que a coesão nacional não pode estar nas mãos nem de Albertos João,nem de Merkels nem de quejandos.É ignorar que as respostas às crises devem passar pela resposnabilização de quem as provoca e assegurar que a factura seja paga por esses mesmos.
    Quando se pede,insiste,luta para que sejam os que provocaram a crise aqueles a quem devem ser assacadas as responsabilidades,deve-se seguir o mesmo princípio para todas as situações.
    E a Madeira é um desses casos.
    Pode-se falar que cada povo tem o governo que merece.Pode-se até vir falar nos votos e em mais não sei que coisas afins.
    Quem assim procede está a esquecer-se de um princípio elementar.É que questões fundamentais não se devem submeter à lógica eleitoral.Não são este tipo de argumentos os que devem ser esgrimidos quando se luta por uma sociedade mais justa.Porque aí a distância que separa as acções e o oportunismo torna-se perigosamente curta.
    Fazer como Vital Moreira faz,que espanta a responsabilidade de uma política de direita para as costas de todo um povo é não só indecoroso e odiento como perigoso.
    E mais uma vez repete o velho estribilho da divisão para ganhar

  13. Rascunho diz:

    É tudo uma questão de Justiça. E como o mais certo é este pulha, que dá pelo nome de Alberto João Jardim, ficar mais uma vez impune, como tantos outros que revestem a alta esfera política e económica deste país, resolvi fazer Justiça, com as próprias “mãos”, para com a inJustiça…

    Recordo-me de uma situação em que vou presente a julgamento. Daquela vez, todos aqueles rostos que me fitavam transcendiam o mais surreal que existe no processo kafkiano. À medida que estou a ser julgado vou deixando de ouvir a voz que ecoava na sala de audiências.

    Olhava, agora, para uma juíza que não se pode dizer que fosse bonita, mas devido ao trajar daquelas vestes tornava-se exótica, atraente. Por esta altura, do meu imaginário, já a sala de audiências nada continha para além de mim e da juíza.

    Aproximara-me dela o suficiente para sentir o torpor que lhe corria no corpo. Comecei a beijá-la calorosamente. À medida que a beijo vou despindo-a. Peço-lhe que se apoie de bruços sobre a pomposa mesa, onde existe aquele “martelito” que se houve para o fim da sessão, mas não para o fim do processo (quantas marteladas temos nós que ouvir até que um processo fique concluído?)

    Toda ela titubeava e suspirava por desejo. Puxei-lhe as cuecas que estavam apetrechadas com ligas:

    “Hum, isto promete. Tem tudo para ser a foda do século!”

    Desço-lhe as cuecas até aos joelhos, para que ela não escancare a porta da justiça. Porém, ainda assim, com as cuecas pelos joelhos, a justiça apresenta-se húmida e quente – nunca a tinha visto e sentido tão humana –, após meia dúzia de suaves toques no dorso da magistrada. (… nada que uns bons toques não resolvam;)

    Com o suor a cosmética começou a tornar-se maleável. Pude, então, com os meus dedos satisfazer o desejo que trazia de ser pintor. Executei os mais belos traços nas suas costas – numa doce e sublime traição desenhei todos os rostos que desejava, verdadeiramente, naquele momento.

    Dedilhava, agora, os seios entumecidos e rígidos: “Hum…” Com um pudico olhar, de soslaio, pude reparar que a justiça clamava agora por vigor. Já não pude conter mais o desejo que tinha em foder a Justiça e… eis que a fustigo com violência:

    “Toma Justiça! Toma minha puta! Que hoje fodo-te toda!”

    A juíza, por sua vez, implorava:

    “Ohh, fode-a Luís, fode-a como deve ser!… Mete-o toodo! Ahhh!”

    Intensifiquei as estucadas. A juíza pronunciava-se, agora, em êxtase:

    “Fode-a Luís, fode-a e chama-a de corrupta e injusta. Chama-aaaa… Ohhh, chamaaa-me de corrupta… ohhhhh chama-meee… de Puuutaaaaaa…”

    Para o fim, a juíza bem procurou o martelo na tentativa de dar por encerrada a sessão. (quão em vão o seu esforço 😉

    A partir daquele dia senti que tinha feito alguma Justiça para com a (in)justiça.

  14. Provocador diz:

    Os Madeirenses têm reeleito o AJJ sucessivamente há mais de 30 anos. São, por isso, co-responsáveis por delapidar as finanças públicas, sem dúvida alguma. Eles sabem-no e fazem gala de eleger AJJ pois ele tem revelado-se ser o homem mais competente a “sacar” dinheiro ao governo da República. E temos que reconhecer que os madeirenses têm razão.
    Agora só resta surgirem governantes com “tomates” na República para porem o AJJ e a sua camarilha na ordem.

  15. Tiago Vasconcelos diz:

    Concordo com Vital Moreira. Vendamos a Madeira para aliviar o déficit!

    • De diz:

      Já calculávamos.Atrás de alguém com jeito para a negociata está um vende-pátrias em potência.
      Vital Moreira está bem ao lado de Vasconcelos.Estão bem um para o outro.
      Está certo

  16. DrStrangelove diz:

    Os madeirenses pagam menos impostos e produzem menos riqueza e têm mais benefícios e protecção do Estado do que os continentais.

    Agora até o Tiago é capaz de sentir o que sente um alemão quando se fala dos gregos ou dos portugueses.

  17. O eleitorado (quase todo) madeirense depende de Jardim e seus compinchas. Ele tem os seus “espiões” em todas os locais, que controlam as movimentações políticas das oposições, a partir da visualização das candidaturas (nomes) entregues nos tribunais esses candidatos e famílias são riscados da lista de futuros funcionários públicos e de muitos empregos privados. Quem vota PSD come os outros passam “fome”. Cuidado quando se culpa o povo madeirense.

  18. De diz:

    O strangelove afinal não passa de um alemão disfarçado a tentar levar-nos com o paleio de um vulgar neo-liberal?
    Mas como bom alemão neo-liberal tem alguma dificuldade na compreensão dos textos.
    Como o prova este comentário esclarecedor.

    O que sentirá um “alemão” perante o comportamento dos banqueiros portugueses?
    Pagam menos impostos,produzem menos riqueza,têm mais benefícios e protecção do estado.
    Perante isso só há uma solução.
    A nacionalização da banca.
    Antes que seja tarde.E tenhamos que apanhar com mais alemães a tentarem continuar o saque.Em nome da santa aliança e sob a comandita de Passos Coelho.
    No fundo,mais outro “alemão” .

Os comentários estão fechados.