Líbia: finalmente, a democracia!

Segundo podemos ler no El País, o presidente interino da Líbia – para quem o entenda reconhecer – afirmou que, a partir de agora, a fonte jurídica vai ser o Corão. “Não somos e nunca seremos a Arábia Saudita. Aqui as mulheres conduzem e há juízas nos tribunais”, comentou um magistrado líbio. Contudo, o vice-ministro Al Gehmy explica que se obrigará a que todas as mulheres que realizem longas viagens sejam acompanhadas por um homem. “É para as proteger porque são a parte mais importante da nossa sociedade”, justifica outro juiz. Este membro do gabinete jurídico de Bengasi, transferido para Tripoli nos últimos dias, admite que a aplicação das regras do Corão levará, no extremo, ao corte de mãos de ladrões e à morte de qualquer homicida. Mas desvaloriza a questão e acrescenta que quase nunca será necessário aplicar a pena de cem chicotadas.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

23 respostas a Líbia: finalmente, a democracia!

  1. ezequiel diz:

    Pois, nem mais, caro Bruno. As “forças democráticas da Líbia” são hmmm…ambíguas! Situação confusa e potencialmente trágica. / Alta cena (a noticia). Muito perspicaz. As coisas estão a ficar mais claras, não é? Os Democratas…bem…os democratas podem ser uma surpresa. A esquerda europeia tá grudada na telê ou net a ver os seus democratas a falar da sharia e tal. Como, como, não percebi, diz a rapaziada, desorientada. Trauma!!?? Claro que não. Estou a brincar. 🙂 Aliás, a cena mais interessante para seguir (politicamente falando) nos próximos tempos (media europeus) serão as formas como as forças democráticas do med serão interpretadas por nós. Vai ser muito interessante. A Facebook Generation. ” East meets West, MomentoShock. Real time. CyberVirilio. Mad, mad, mad. 🙂

    ganda set. on now, from aussieland. 🙂
    http://www.nuskoolbreaks.co.uk/forum/index.php

  2. Miguel Lopes diz:

    A fonte jurídica pode vir a ser o Corão, mas os dotes cinematográficos serão de hollywood:
    http://youtu.be/ftr0DrpH_oM

  3. Von diz:

    Qualquer nação cujo governo ou leis se baseiem num livro religioso, são ditaduras!!!

  4. Pingback: A Líbia e a Charia | Aventar

  5. De diz:

    E mais uma vez a cumplicidade activa entre as potências ditas democráticas,neo-liberais até à medula e o radicalismo islâmico.
    “A acção da NATO abriu novos corredores ao islamismo radical e à nebulosa da Al-Qaeda na região do Norte de África”,como diz Luís Carapinha.

    Não hesitam perante nada,as tais potências ditas democráticas,neo-liberais até à medula,
    desde que lhes garantam o abastecimento dos seus cofres.
    No fundo a aliança entre o fundamentalismo islâmico e a mafia organizada,para dar nomes aos bois.

    • l'outre diz:

      É pena que não se lembre dessa tal “aliança” entre o ocidente e o extremismo islâmico quando o assunto é os Talibans do Afeganistão ou o Hammas da Palestina.

      • Bruno Carvalho diz:

        Claro que me lembro. Quem patrocinou o extremismo islâmico contra o governo progressista afegão e contra a intervenção da URSS foram precisamente os Estados Unidos e o Hammas foi estrategicamente tolerado, até determinada altura, para acabar com a resistência das organizações palestinianas de esquerda.

  6. ezequiel diz:

    sendo de toda a parte (facebook) como é que pode ser (apenas) de hollywood?
    acho que te enganaste na metáfora, Miguel.
    cumps
    z

  7. Dédé diz:

    Acho que o Al Gehmy tem razão, no Corão que tenho cá em casa também diz que as mulheres só podem conduzir automóveis se acompanhadas por um homem.

  8. Tiago Vasconcelos diz:

    Conclusão: laicismo no mundo árabe, só à força. Havendo democracia, o laicismo dura pouco.

    • De diz:

      Então não?
      Um provável admirador dos métodos criminosos utilizados pela Nato para escaqueirar a Líbia quer fazer-nos passar a ideia que foi institucionalizada a “democracia” na Líbia

      Os rapazes têm que se esmerar mais para fazerem passar o seu breviário.
      Este não pega.

    • l'outre diz:

      Assumindo que quando fala de mundo Árabe está a referir-se a mundo islâmico, o caso Turco mostra que não tem razão.

  9. miguel serras pereira diz:

    Por mim, veria com bons olhos que o Bruno Carvalho lançasse uma campanha internacional visando a denúncia de todos os Estado confessionais: Irão, Arábia Saudita, Tibete, Israel…
    Mas o seu zelo seria mais convincente se não se esquecesse de repudiar também os métodos judiciais e penais da Líbia de Kadafi. Enfim, por algum lado tem de se começar e não está escrito que os seus olhos não possam deixar de escotomizar a barbárie ambiente… Tenhamos esperança, pois.

    msp

    • Bruno Carvalho diz:

      Claro, eu tenho de repudiar os métodos judiciais e penais de Kadafi. Já você não tem de fazer mea culpa pelo seu apoio à vergonhosa intervenção imperialista que ajudou a pôr no poder o fanatismo religioso. Todos estão errados, menos o MSP!

      • miguel serras pereira diz:

        Engana-se ou leu mal o que eu escrevi, Bruno Carvalho.
        Os textos ainda estão no Vias. É questão de ir lá ver. E, se lá for, aproveite para dar uma vista de olhos ao post que o João Bernardo nos deu sobre o assunto ( http://viasfacto.blogspot.com/2011/09/o-fascismo-e-kadafi-um-contributo-do.html ): põe bem os pontos nos ii.

        Quanto ao seu repúdio da sharia como lei imposta aos cidadãos, estou de acordo consigo. Espero que V. a mantenha quando ouvir chamar a alguém que protesta contra as lapidações iranianas “apologista do bombardeamento de Teerão”. E é só.

        msp

    • De diz:

      Há algo de néscio neste comentário

      Como é possível que algumas cabeças ditas de esquerda tenham validado uma guerra selvagem,de pilhagem,de destruição e morte?
      Como é possível que tenham dado o ámen à ingerência primária dos primários representantes do capital SA?
      Como é possível que tenham apadrinhado uma “coligação”franca ,amiga ,fraterna entre o fascismo islâmico e os petro-dólares,com sotaque franco-inglês?
      Como é possível que tenham uivado de alegria pela tomada da Líbia pelo poder islâmico radical?

      Este Pereira é o mesmo que perora longas tiradas sobre Orwell?Ou que verte pequenas lágrimas sobre o que se passa no julgamento mediático referido aqui no 5 Dias?
      É o mesmo que assume a atitude piedosa e pia perante questões de antanho, enquanto agora se assume como um pequeno provocador,encobrindo as cumplicidades que nunca poderão ser esquecidas com criminosos de guerra sob a bandeira da Nato?

      Denúncia de todos os estados confessionais?
      A amálgama certa para certamente se confundir tudo e para que tudo fique na mesma?
      E para que continuem na sombra os cúmplices desta pilhagem organizada?

      “Tenhamos esperança pois”…
      Que semelhança com os comentários confessionais perante as assembleias de crentes
      Afinal este fulano não passa de um hipócrita?
      Um hipócrita em peregrinação pia…enquanto revira os olhos e bate com a mão no peito as “rezas”com que pretende esconder o seu papel asqueroso no meio disto tudo

    • Carlos Carapeto diz:

      MSP porque não junta os nomes do Alasca e Porto Rico ao Tibete? Quais são as diferenças que encontra para enfatizar exaustivamente uma situação e omitir deliberadamente as outras. Que interesse tem nisso?

      Depois está a arvorar-se num paladino da denuncia dos métodos judiciais e penais da Líbia de Khadafi. Afinal quando foi que descobriu que Khadafi era um tirano? O que foi que escreveu sobre o seu regime antes da agressão da NATO? Que razões impedem de se estar contra Khadafi e a NATO simultanemente? Face ao desenrolar dos acontecimentos a coerência aconselha que assim seja.

      MSP portanto seja sensato com as posições que toma se pretende que as pessoas de pensamento livre lhe tenham algum respeito.

      Depois o Irão e mais Irão, o que o leva a omitir os atos bárbaros praticados contra os cidadãos na monarquia Saud.
      Porque não denuncia os julgamentos arbitrários em tribunais militares dos milhares de homens e mulheres que se levantaram contra a ditadura do Bahrain?
      A que se deve o seu silêncio sobre os acontecimentos sangrentos no Yemen e a colaboração por parte dos países Ocidentais no treino da policia deste país?
      O que o priva de denunciar a repressão brutal levada a cabo por o regime de Meles Zenawi na Etíopia?

      Está à espera que a NATO intervenha para depois alardear as virtudes da “democracia” imposta à bomba?

      MSP já tive ocasião de dizer-lhe que o Senhor está possesso daquilo que aprendeu no discurso verrinoso anti comunista de Yakovlev e do embuste suave pretensamente de esquerda de Zizek.

      MSP por respeito àqueles “nfelizes” que todos os dias sofrem as prepotência do imperialismo capitalista, o Senhor por um principio de dignidade devia evitar escudar-se com a esquerda para defender os seus pontos de vista. Porque as suas tomadas de posição politicas em nada se identificam com a esquerda. São de absoluto carater divisionista com o objetivo de criar confusão entre os menos esclarecidos.

      Ser-se de esquerda e ter coragem para criticar e aceitar os erros agindo de boa fé, é uma coisa. Ser-se um impostor que faz o jogo dos inimigos da esquerda é totalmente diferente.

      • miguel serras pereira diz:

        Carlos Carapeto,

        se me lesse com atenção, veria que boa parte das suas acusações são paradoxais.
        1. Os métodos judiciais de Kadafi foram durante anos denunciados pela Amnistia Internacional (a cujos núcleos pertenci durante alguns anos) e outras organizações insuspeitas. Incluíam execuções maciças, transmissão televisiva dos suplícios, tortura, discriminação dos estrangeiros, etc., etc.
        2. Ainda não havia blogosfera nos tempos em que certos grupos, que se reivindicavam de uma identidade de “esquerda revolucionária”, apontavam o regime do coronel como exemplo de “poder popular”. Sempre os combati e tentei denunciar as suas mistificações.
        3. Não tenho afinidades profundas, mas muitas vezes posições radicalmente contrárias, com certos autores que traduzo. Já lhe expliquei isso. Traduzi Cioran, Drieu e alguns mais, embora a sua visão do mundo esteja nos antípodas de tudo o que penso.
        4. Quanto ao Zizek, creio que, ultimamente, tem abandonado um pouco certo pendor histriónico que desvalorizava a maneira como pegava em certos problemas que, com efeito, dão que pensar. É um ensaísta muitas vezes perspicaz (sobre a democracia e a Europa, por exemplo), mas com o qual estou longe de me identificar.
        5. Se quer saber, a minha plataforma política é, como tenho repetido exauistivamente, a da extensão e generalização da participação igualitária e anti-classista do conjunto das mulheres e homens comuns (tornados assim cidadãos activos e governantes) no exercício do poder e da tomada de decisões sobre todas as matérias que a todos dizem respeito (o que pressupõe evidentemente a democratização radical dos aparelhos económicos, entre outros, e a igualização das remunerações). Se este compromisso com o máximo de “democracia (real) já” corresponde, aos seus olhos, a uma “impostura”, pois bem, só posso honrar-me de, aos seus olhos, ser um “impostor”.
        6. Finalmente, tem toda a razão quando diz que podemos – e devemos – denunciar ao mesmo tempo a política da NATO e do conjunto das organizações de governo das oligarquias ocidentais e os regimes do tipo Kadafi. Nunca disse outra coisa. Digamos que, a esse respeito (e não só), faço minhas no essencial as posições formuladas pelo João Bernardo que já referi acima ( http://viasfacto.blogspot.com/2011/09/o-fascismo-e-kadafi-um-contributo-do.html), num outro comentário.

        Esperando tê-lo, não convencido, mas esclarecido um pouco quanto à minha “identidade política”, gostaria de vê-lo recorrer menos à injúria fácil e mais ao exercício da razão política e da argumentação democrática – tanto mais que, por estranho que possa parecer-lhe, creio que V. fala muitas vezes de boa fé.

        msp

        • De diz:

          Identidade política?

          Não é essa a questão
          A cunplicidade com crimes de guerra tout court
          Sob uma roupagem “florida” que agora cada vez mais parece asumir traços de desculpabilização,como disse,néscia

  10. Manuel Monteiro diz:

    As tentativas revolucionárias dos povos árabes têm sido torpedeadas pelo imperialismo e seus agentes.
    Quando verificam que as massas populares estão a ganhar consciência e vão para a luta contra os ditadores infiltram-se para que: mude alguma coisa para que tudo fique na mesma.
    E é lindo ver: NATOS, CIAS, mercenários, fundamentalistas islâmicos, todos numa santa cruzada contra os ditadores e pela democracia. Comovente!
    Depois, há aqui uns imbecis que, para justificar o seu apoio aos imperialistas, verberam aqueles que são contra a invasão da NATO, a pretexto de que quem assim procede defende o ditador Kadafi.
    Apoiar um ditador, que é o que o imperialismo é, contra outro ditador é uma política que condena o povo a mudar de ditador, mas não a conseguir a sua libertação plena
    Então, amigos tácticos, companheiros ocasionais das intervenções imperialistas, lá nos encontraremos na Líbia, sob o jugo de um governo fundamentalista-islâmico-ianque.

    Manuel Monteiro

  11. Ora bem.
    Y os casamentos de Meninas vão aparecer a seguir!! … Lembrar a Tradição Pedófila enraizada na Cidade de Benghazi.

    O “Herói” de Tripoli tb tem como Programa de “Promoção da Virtude Y combate ao Vício” o encerramento de salões de cabeleireiros, principalmente na Cidade de Tripoli ( gostava de saber a reação das cabeleireiras entrevistadas pelo NYT que andaram a fazer de de mensageiras/espias para passar info à da Nato ) … Este é o Programa de Direitos Humanos. Adivinhamos bem a democracia q se segue.

    Mas eu venho aqui deixar 1 PEDIDO. Se alguém ler quemecontacte ou no Blog ou na conta @Dputamadre no Twitter.

    Eu abri a Conta no twitter @LibyaChildren para passar vídeos de crianças que estão a morrer na Líbia. Nas 2 últimas semanas já estão contabilizadas 1000 ( CRIME DE GUERRA), lembrar que um Hospital foi Bombardeado( pela 1ª vez) …

    Acontece que ao fim de 46 tweetes direccionados a Jogadores de futebol, O TWITTER SUSPENDEU a CONTA Y ainda não a Reabriu. Apesar de já ter recebido as Reclamações.

    Eu reclamei. Se concordarem Façam RT http://www.twitlonger.com/show/dfanuu

    Eu tenho a Ideia de Tentar MOBILIZAR pessoas para que cada 1 Faça 1 Conta no Twitter
    @LibyaChildren/1/2/3 ao infinito das Vontades dos Humanos que não temam RESPEITAR AS CRIANÇAS …Lá porque estão associadas a Kadhafi Y ao estigma do palavrão “Ditador”.

    O que eu sou, o que cada um de nós é Jamais pode ver crescer uma Sombra de anti-democracia/Liberdade/Direitos Humanos … só Porque RESPEITA as CRIANÇAS MORTAS DE Kadhafi Como Crianças Mortas … Y Não AUTORIZA a que sejam Consideradas BOAS MORTES DE Crianças só pq são Crianças-Kadhafi.
    Não pudemos ser INFAMES. Nem dar espaço a uma Humanidade Infame. Quem Manda fechar SUSPENDER 1 Simples conta de Twitter por passar Vídeos de Crianças Mortas é INFAME.

    PS.:Contextualizando ( à 3 Pancadas) a Minha Posição nesta GUERRA Líbia. ESTOU 100% com Saif al-Islam. … Não quero saber do Kadhafi para nada ( É outra Coisa). Nem sequer sou 1 Fundamentalista anti-Nato. Nesta Fantochada Líbia: COMPLETAMENTE. Avaliem o episódio do Fecharem uma conta @LibyaChildren !! …Eu abri de IMEDIATO a@LibyanChildren1 Y no dia a seguir Já não Tinha Visibilidade pública. ISTO É MUITO INFAME, para todos. Obrigada. Se alguém ler Y quiser Criar 1 dinâmica Positiva … eu agradeço. Eu sozinha n passo de um Sísifo!

Os comentários estão fechados.