Semana do Livro no Facebook… Porque não aqui?

E cito: É a semana internacional do livro. A regra: pega no livro que está mais próximo de ti. Vai à página 56. Copia a 5ª frase para o teu post. Não indiques o título do livro e escreve também a regra no teu estado. Não vale fazer pesquisa no google.

«O que resiste à universalidade é a dimensão propriamente inumana do Próximo.»

Aceitam-se apostas.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

12 respostas a Semana do Livro no Facebook… Porque não aqui?

  1. Vitor Ribeiro diz:

    “No moinho [de água], o que fazia rodar a mó, o rodízio… era em madeira.”

  2. “Mas, se os operários aparecem sabendo o que querem e expondo com fundamento o que pretendem, são forçados a dar-vos razão.”

  3. JMJ diz:

    “Vê-se por aí que aquele a quem a luta económica fez esquecer a agitação e a propaganda politicas, a necessidade de organizar o movimento operário com vista a chegar à luta de um partido politico, esse priva-se, entre outras coisas a que se expõem, mesmo da possibilidade de conquistar segura e solidamente as camadas inferiores do proletariado para a causa operária”

  4. Orlando Raimundo diz:

    “…e foi entre o magote de pessoas que a mãe e filho passaram,…”

  5. paulogranjo diz:

    Maningue de bué, pessoal. Continuem!

  6. Joaquim Nunes diz:

    Estava ali assim, de pé, com ar feroz, e gritei-lhe que recuasse enquanto eu tentava corrigir com um golpe rápido a curva que o vapor fazia.

  7. De diz:

    “Para começar trataria de descrever de modo imperfeito a exactidão”

  8. Ana Margarida Lopes diz:

    «Uma vez que a imagem nos mostra sempre o total do recorte avistado da realidade inventada: parede e chão, tectos e materiais, ambiente da luz e luminosidade de um espaço, por exemplo.»

  9. streetwarrior diz:

    O poder simbólico, tem como Poder de constituir o dado pela enunciação, de fazer ver e fazer crer, de confirmar ou de transformar a visão do mundo e, deste modo, a acção sobre o mundo.
    Exerce um Poder quase Mágico que permite obter o equivalente, daquilo que é obtido pela força ( Fisica ou económica ), graças ao efeito especifico de mobilização e só se exerce se for ignorado como arbtrário, pois, se reconhecido, deixa de ter o efeito pretendido

Os comentários estão fechados.