Pedro Vieira de Almeida (1933-2011)

Irritado com a pouca importância que a Ordem dos Arquitectos lhe confere – desembaraçando-se de quem sempre criticou a sua constituição com um banal take da Lusa, publico o comunicado da Direcção do Sector Intelectual de Lisboa do PCP:

PEDRO VIEIRA DE ALMEIDA
1933 – 2011
Faleceu o arquitecto Pedro Vieira de Almeida, certamente uma das personalidades mais marcantes da arquitectura portuguesa do séc. XX. Arquitecto, urbanista, professor, crítico e teórico de arquitectura de qualidade singular, foi ao longo de toda a sua vida um inteligente combatente contra ideias feitas e concepções fechadas.
Integrando a geração que inicia a sua actividade num período em que orientações fundamentais do Movimento Moderno manifestavam algum esgotamento, toda a sua actividade é marcada por uma atitude intelectual de questionamento crítico, que o colocou em diversas ocasiões no centro de vivas e frutuosas polémicas como sucedeu, por exemplo, quando empreendeu a organização de uma exposição sobre a obra de Raul Lino. Ou quando, quarenta anos mais tarde, escreve a sua tese de doutoramento sobre a arquitectura do Estado Novo.
Antifascista de sempre, membro do PCP desde há muitas décadas, deu sempre ao Partido o contributo da sua viva inteligência e aguda sensibilidade crítica, do profundo conhecimento que possuía sobre a arquitectura portuguesa enquanto disciplina e enquanto profissão, da persistente reflexão que fazia acerca das formas de apropriação do marxismo pelos intelectuais e das formas de integração dos intelectuais no processo histórico de transformação social.
Outros falarão mais extensamente da sua excepcionalmente valiosa actividade profissional. Para a Direcção do Sector Intelectual da ORL do PCP o essencial neste momento é prestar a mais calorosa homenagem ao – nas suas próprias palavras – “ensaísta militante”, ao camarada de tantos anos de luta comum.

P.S. 1 : Aumenta a minha irritação. Tentei ver o que estaria disponível no IAPXX/ Inquérito à Arquitectura do Século XX em Portugal, promovido pela OA. Parece que entretanto já esconderam tudo.

P.S. 2 :O corpo estará na Basílica da Estrela (espaço dos não-crentes) a partir das 16h de 4ª feira, 14 de Setembro. Às 22h de 4ª feira realiza-se nesse espaço um concerto de música barroca pelo cravista Marcos Magalhães. O funeral segue às 10h de 5ª feira para o Cemitério de Benfica.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

5 respostas a Pedro Vieira de Almeida (1933-2011)

  1. rosa v.a. diz:

    obrigada, tiago.

    • Tiago Mota Saraiva diz:

      Tudo o que seja feito para não deixar que o silêncio se sobreponha à cultura e ao homem, não é demais. Ficámos mais pobres.
      Muita força.

  2. De diz:

    Só por coisas como esta vale a pena este blog!!!!!!!!!!

  3. Boa tarde.
    Escrevo na qualidade de editora do site e restantes plataformas de comunicação da OASRS, a propósito da referência à forma como a Ordem dos Arquitectos se referiu à morte do arquitecto Pedro Vieira de Almeida, feita neste blog (embora o link referido já não remeta para a notícia original, mas para um texto da arq. Ana Tostões sobre Pedro Vieira de Almeida que, já agora, aproveito para recomendar).
    A opção pelo take da Lusa feita pelos sites da OASRS e da OA, deveu-se à hora a que a notícia foi conhecida – ao final da tarde de segunda-feira, numa altura em que teria sido impraticável produzir, em tempo útil, uma comunicação que oferecesse mais do que a informação indispensável.
    Na impossibilidade de o fazer, optou-se por disponibilizar os dados – perfeitamente fidedignos – veiculados pela agência noticiosa e reproduzidos pelos outros órgãos de comunicação social. À OASRS coube ainda fazer a ponte com os media e colocar a TSF em contacto com o arq. Nuno Portas para gravação do seu testemunho sobre a notícia que foi quase imediatamente para o ar.
    Ou seja, optou-se por fazer o que era possível considerando a hora a que se soube da notícia.
    Durante o dia de ontem e de hoje os sites da Ordem dos Arquitectos e respectivas extensões nas redes sociais têm vindo a prestar a sua homenagem ao arquitecto, disponibilizando uma listagem bibliográfica integral da sua obra e um texto da arq. Ana Tostões cuja leitura mais um vez aconselho.
    Não há, portanto, outras leituras a fazer da forma como a Ordem dos Arquitectos tratou a morte do arq. Pedro Vieira de Almeida no dia da triste notícia, senão as estritamente editoriais.

    Margarida Portugal

    • Tiago Mota Saraiva diz:

      Olá Margarida. A morte não escolhe a hora. Não sei a que horas terá a OA terá sabido do triste facto. Eu escrevi este texto no dia seguinte, e lá estava a take da Lusa. Fui ao site da OA não por policiamento, mas porque queria ler um texto melhor que o da Lusa (fraquinho, aliás). Não estava lá nada. Ou melhor, estava o texto da Lusa e uma fotografia do Pedro – que, aqui entre nós, sei de onde foi retirada e rio-me pela não referência à fonte.
      Há uns anos era a OA que informava a Lusa, agora parece ser o contrário. Fico irritado, não surpreendido.
      Já agora, muito gostaria de saber o que é feito da informação do IAPXX.

Os comentários estão fechados.