Lições do 12 de Março, a pensar nas aulas do 15 de Outubro (III)

Quando beltrano diz que sicrano é infiltrado vou procurar saber primeiro quem foi o fulano que suspeitou.

[a 43 dias das ruas voltarem a ser nossas]
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

10 respostas a Lições do 12 de Março, a pensar nas aulas do 15 de Outubro (III)

  1. De diz:

    Ahahahaha

    Bom post

  2. Renato,
    Transcrevo uma pequena reflexão que publiquei no meu blogue. Se achar que é abusivo não publique.

    “Anuncia-se uma nova manifestação para 15 de Outubro. Os promotores são os mesmos do 12 de Março. O sucesso do 12 de Março foi conjuntural. Nas ruas juntaram-se da esquerda à direita todos os que estavam contra Sócrates. Não havia uma matriz ideológica distintiva no 12M que essencialmente agrupava compreensíveis descontentamentos.

    Nas eleições esse descontentamento manifestou-se na maioria que os portugueses deram ao PSD e CDS. Não contesto os resultados eleitorais (nem poderia) mas hoje é óbvio é que os portugueses saíram do diabo e meteram-se com a mãe . O mesmo chorrilho de promessas não cumpridas, o mesmo ataque aos trabalhadores, a mesma avidez fiscal. O que os portugueses validaram nas urnas foi uma mudança de estilo e não de políticas. A passagem do “animal feroz” ao equivalente masculino da “Amélia dos olhos doces”. Conheço muitos participantes do 12M que são simpatizantes do PSD e que estiveram presentes como modo de pressão sobre Sócrates. Tudo isto é legítimo, mas com a provecta idade de 48 anos já me posso dar ao luxo de escolher as companhias. Até nas manifestações.

    A 15 de Outubro não haverá tantas “linhas cruzadas”. Esta demonstração terá um carácter ideológico que esteve ausente no 12M. Quem estará presente serão as pessoas com ideais solidários e de esquerda. Do PS ao PCTP-MRPP. Os simpatizantes dos partidos agora no governo não participarão. A 15 de Outubro seremos certamente em menor número. Mas com ideias muito menos difusas do que o justificado ódio a Sócrates. Ainda bem. A barafunda ideológica é uma cena que a mim não me assiste.

    • Renato Teixeira diz:

      É certo que houve sectores de direita a virem para a rua no 12 de Março, o que não acontecerá, de forma significativa, a 15 de Outubro. Quanto aá barafunda ideológica não estou certo que se livre dela e que isso seja uma coisa má em si mesmo, uma vez que todos estejam de acordo com os principais pressupostos: outra democracia e a luta contra a precariedade.

  3. a anarca diz:

    ah ah ah ah !
    bela imagem
    para um país de desconfiados …

  4. Viva Hayek diz:

    — peace and love …não há mais caramelos.

    Menos saúde, menos educação…já! Não temos que pagar pelo que é nosso mérito.

    TRABALHAR. Quero produzir. Quero estudar. Ser Pontual. Não deixo o cuidado de mim ser subsidiado.

  5. Lena diz:

    Esta “maioria” só foi possível porque a grande maioria não votou ou votou no descontentamento. Em Outubro, creio que estarão na rua as duas maiorias. Ambas somam já ao descontentamento, o arrependimento. E a rua pode, como sabemos, ter muita força…

  6. Sassmine diz:

    muito bom. 🙂

  7. Homem de Esquerda diz:

    Aqui vai uma reportagem que acompanha um grupo de turistas franceses em visita à Coreia do Norte. Para quem tem dúvidas…
    http://dai.ly/otPugm

Os comentários estão fechados.