Lições do 12 de Março, a pensar nas aulas do 15 de Outubro (II)

É melhor falares correndo o risco de estares errado do que ficares calado coberto de razão. Quando se erra colectivamente erra-se menos do que quando se acerta em silêncio e na solidão. A palavra só é nossa se ela também for tua.

[a 45 dias das ruas voltarem a ser nossas]
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

4 respostas a Lições do 12 de Março, a pensar nas aulas do 15 de Outubro (II)

  1. luis diz:

    45 dias? e o 1º de outubro pa?

    • Renato Teixeira diz:

      É dia de luta. Mas tomar as ruas pressupõe pelo menos o direito à palavra e a pernoita. Pacotes promocionais a que a crise convida.

  2. O movimento de 15 de Março de 2011 marca um momento histórico importantíssimo da vida política portuguesa do século XXI. Centenas de milhares de manifestantes sairam à rua a mostrar o seu descontentamento com a vida política portuguesa e a situação económica e social e a exigir mais e melhor democracia. Em Maio as acampadas chegam ao Rossio e as Assembleias Populares voltam historicamente às principais praças de Lisboa. Sem representatividade partidária num sistema político em que os partidos monopolizaram a vida política portuguesa o protesto foi ouvido sem se fazer ouvir. Dia 15 de Outubro, para haver consequências do protesto da pequena e média burguesia lisboeta o movimento deve concentrar-se à volta da Assembleia da República. Doutra forma, o risco de se tornar um movimento de folclorização política vai ser uma boa arma de arremesso da direita radical que corrói a democracia.

    Daqui: http://macloule.blogspot.com/

Os comentários estão fechados.