PÓS-TROTSKISMO: Andam a convidar o Ferreira Fernandes para os acampamentos de jovens do BE ou ele passou a ser o responsável pela formação dos assessores?

Segundo o raciocínio do Pedro Sales (quase tão soberbo como o do Ricardo Alves), o Arrastão faz parte da coligação que anda a libertar a Líbia à bomba, da entente que pinta de azul os capacetes ao serviço do império, do Haiti ao Líbano, vai ter que continuar a responder, mesmo depois da birra, por cada desmando do Rui Tavares, logo do Sá Fernandes, portanto do Sócrates, por conseguinte do Passos Coelho, e no final das fronteiras desta ténue linha, da Merkel, do Sarkozy, do Papa e inevitavelmente, do Breivik, da música dos anos 80 e da Sida. Naturalmente, porque ali, sobretudo, percebe-se de bola, cada jogo perdido do Sporting, do Porto ou do Benfica as culpas poderão passar a ser divididas entre o árbitro, o Bruno Sena Martins e o Daniel Oliveira. Entre polémicas, e depois de ler as rábulas do Sérgio Lavos sobre Londres, só podem ser agentes a soldo da Scotland Yard. Estamos bem. Era sabido que ajudar a derrotar o Alegre, à primeira volta, tinha um preço elevado. Da minha parte, desde que a bitola e a moeda não seja definida pelo Jorge Coelho, terei todo o gosto em pagar a factura, com a promessa, indispensável, que ela não será às custas de nenhum gabinete nem com o dinheiro dos contribuintes. É só.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

50 Responses to PÓS-TROTSKISMO: Andam a convidar o Ferreira Fernandes para os acampamentos de jovens do BE ou ele passou a ser o responsável pela formação dos assessores?

  1. Pingback: Pela fé, ruíram as muralhas de Jericó, depois de rodeadas por sete dias « Solstício

  2. Pingback: António Figueira traído pelo António Figueira | cinco dias

  3. Pingback: Tristeza e miséria do radicalismo lusitano. | vida breve

Os comentários estão fechados.