Da prática

Se a teoria ajuda a perspectivar a prática (nomeadamente a prática revolucionária), não deixa de ser verdade que só a prática pode transformar as condições sociais de existência. Só a prática mobiliza energias capazes de revolucionar a base material de produção do viver humano.

À teoria cabe-lhe um papel importante: o de organizar a prática através dos próprios ensinamentos da prática concreta e efectiva. Contudo, o seu campo de acção é circunscrito à reflexão dos condicionalismos em que decorre a prática. Prática que é o movimento constante de rearranjo das peças do tabuleiro onde se desenrola o xadrez da vida social.

«As ideias nunca podem levar a ultrapassar um antigo estado do mundo, apenas podem permitir ultrapassar as ideias do antigo estado de coisas. Falando de uma maneira geral, as ideias nunca podem executar nada. Para executar as ideias, são necessários os homens, que põem em acção uma força prática».

Karl Marx e Friedrich Engels, A Sagrada Família, Editorial Presença, 1974, p.179

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , . Bookmark the permalink.

3 respostas a Da prática

  1. De diz:

    João Valente Aguiar Três comentários breves:
    Os dois primeiros de congratulações: A si pelo colocar deste pequeno naco de prosa.A Marx e Engels pela sua autoria
    O terceiro para dizer que deste texto ressalta a importância de Lenine.E a sua praxis

    • João Valente Aguiar diz:

      Obrigado pelo comentário. O mérito é todo, naturalmente, do Marx e do Engels. E claro, o Lénine nunca estará aqui esquecido podes ficar descansado 🙂

  2. Mário Abrantes diz:

    Para executar as ideias são necessários os homens que põem em acção uma força prática.

    Essa força prática satisfaz ordens e vontades de alguma hierarquia. Por sorte sucede ser essa hierarquia que produz a teoria. Eis como a teoria e a prática se harmonizam. E a harmonia é, sem dúvida, uma coisa muito bonita.

    É claro que há sempre aqueles que, obviamente por engano, confusão ou até demência, tendem a emperrar o mundo perfeito desenhado por quem manda. Nada que não possa ser corrigido num campo de reeducação.

Os comentários estão fechados.