Receita dos governos dos últimos 30 anos: vender barato aos amigos e nacionalizar os seus prejuízos.

A “venda” do BPN que hoje se anuncia é um roubo.
A coisa era gerida entre cavaquistas e conhecidos “socialistas” com vontade de se alambazar com o bloco central. Distribuíam-se grande casas e juros impossíveis de pagar. Assim que a bolha se tornou incomportável, PS/PSD/CDS decidiram que todos a devíamos assumir, mantendo a parte rentável do banco nas mãos dos seus amigos especuladores. Ainda não se sabe bem quanto é que terá sido o dinheiro que todos tivemos de pagar pela rambóia – o Público garante que já pagámos 2,4 mil milhões de euros (três vezes a receita prevista com o corte no 13º mês).
Hoje anuncia-se que o banco retornará às mãos de cavaquistas com 830 trabalhadores a menos – devidamente despedidos e indemnizados, que cobrirá os ridículos 40 milhões que pagarão por recuperar o banco limpinho de dívidas.
Se a gestão do banco foi criminosa, a nacionalização dos seus prejuízos, proposta e aprovada pelo bloco central dos interesses, também o foi.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

11 respostas a Receita dos governos dos últimos 30 anos: vender barato aos amigos e nacionalizar os seus prejuízos.

  1. Gentleman diz:

    Foi um grande prejuízo para os contribuintes, sem dúvida. Mas tê-lo deixado falir poderia ter repercussões ainda mais graves pelas ondas de choque que iria provocar.
    Uma coisa é certa: não é realista esperar que o Estado recupere todo o dinheiro que lá injectou. Ninguém está disposto a pagar um tal preço.

    • Fernando Mota diz:

      Prejuízo é quando investimos e perdemos. O que aconteceu aos contribuintes foi um roubo, de resto merecido por terem votado durante anos a fio nestes pseudo-socialistas e nestes neo-liberais mediocres. Onda de choque seria condenar os gestores de alcova, e penhorar os seus esparsos bens. Dispostos ou não, o preço pagámo-lo nós.

    • Antónimo diz:

      diz-se no jornal de notícias em editorial cujo link permanente não localizo:

      “Numa recente entrevista a Fátimas Campos Ferreira, o presidente da Comissão Europeia disse que o BPN não deveria ter sido nacionalizado.

      Nessa entrevista, a jornalista da RTP1 fez boas perguntas. Uma delas: se o BPN não fosse nacionalizado, o sistema financeiro não corria risco de contágio?

      A resposta não deixou margem a dúvida: “Não”, afirmou Durão Barroso.”

  2. Tiago Vasconcelos diz:

    Convém lembrar que os “amigos” que o Tiago Mota Saraiva refere são também amigos do PCP.
    Com efeito, os angolanos do BIC é gente ligada ao MPLA, partido com quem o PCP mantém boas relações. O PCP está sempre presente, a convite, nos congressos do MPLA e trata muito bem o regime angolano no seu Avante!…

    • JMJ diz:

      Na Festa do Avante! trata-se toda a gente bem.

      Até o Tiago Vasconcelos (se comprar a EP – à venda com desconto de 10 euros até 2 de Setembro – em qualquer centro de trabalho do PCP) pode entrar e passear à vontade que ninguém o vai chatear e, provavelmente, até haverá alguém que lhe ofereça uma imperial ou um petiscozinho.

    • Carlos Carapeto diz:

      Kissinger também protegeu o regime Khmer será que também tenha que tenha que ser presente a julgamento?

    • Tiago Mota Saraiva diz:

      Sinceramente, Tiago Vasconcelos, essa ligação só mesmo de uma cabeça muito afetada.
      Olhe que tal se fosse assim:
      “O BIC é um banco do PCP! Toda a gente sabe que o “C” é de comunistas! “

  3. Sob diversas formas, o que os governos nos últimos trinta anos fizeram é o que governos predispostos a servir os interesses da classe que os protege sempre fazem: tranferir para o lado dos poderosos o que vão estorquindo ao povo. É da história!

  4. Pingback: Ladroagem | Sentidos Distintos

  5. Augusto diz:

    O Banco não foi vendido, o Governo do PSD-cds, VAI PAGAR 510 milhões de Euros, á Isabel dos Santos ao Americo Amorim e ao Mira Amaral do PSD , para ficarem com o banco.

    Mas nada de admirar, afinal o BPN era o banco do PSD , e agora volta a casa.

Os comentários estão fechados.