Ricos mais ricos, pobres mais pobres.

17,8%

As 25 pessoas mais ricas de Portugal aumentaram o seu capital para 17,4 mil milhões de euros, sem contabilizar os ganhos no mercado paralelo.

E o povo, pá?

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

26 respostas a Ricos mais ricos, pobres mais pobres.

  1. l'outre diz:

    Não está a ver bem a coisa. A fortuna dos 25 mais ricos SÓ aumentou 17.8%. Nos outros anos aumentou muito mais. A crise toca a todos. Todos fazemos sacrifícios, até o coitadinho do Belmiro.

  2. a anarca diz:

    Com o espirito de missão que é conhecido…, os politicos em funções públicas deveriam ganhar o ordenado minímo… Tenho a certeza que todos ganhariamos muito mais 🙂
    Se alguém (na classe politica) fosse consciente saberia que é impossivel sobreviver com o ordenado minimo .

    • Rui Campos diz:

      Mas há pessoas conscientes disso. O problema é que a grande maioria dos deputados no Parlamento não quer saber disso(PS, PSD, CDS).

    • l'outre diz:

      Eu acho que o problema não está nos políticos receberem demais. Está em todos os outros que recebem “demenos”.

      • a anarca diz:

        A politica deveria ser como a filantropia
        Em troca da vaidade, reconhecimento e eventuais aplausos 🙂

        Concordo contigo l’ outre 🙂
        que alguns ganhem milionariamente não é o problema,
        o problema está nos que ganham miseravelmente.
        e se houvessem avaliações LOL qual não seria o espanto que esses ordenados milionários são pagos a autênticos flop’s
        e os flop’s por vergonha …

  3. Orlando diz:

    E o povo que se fod*.

  4. RC diz:

    Óptimo para eles, fizeram por isso.
    Quanto ao povo… que façam pelas suas vidas, em vez de esperarem a caridadezinha dos ricos

  5. Ana Paula Fitas diz:

    Caro Renato,
    Fiz link… e agradeço!
    Abraço.

  6. Não tenho nada contra o Top dos mais ricos de Portugal, que estão cada vez mais ricos, apenas me chateia não pertencer a tal Top.

  7. Tiago Vasconcelos diz:

    Ainda bem que esses ricos ficaram com mais capital. Terão, assim, mais probabilidade de realizarem investimentos que geraram emprego e contriburão para o PIB. Se, em vez disso, os ricos estivessem pior, isso seria um sinal que a recuperação económica estaria ainda mais longínqua. É que são os capitalistas que criam emprego, não é a CGTP nem o PCP.

    • Tiago Vasconcelos diz:

      Errata: onde está “geraram” devia estar gerarão.

      • Wyrm diz:

        Yep… Tem sido totalmente assim até agora… É por isso que os tais ricos ainda estão a tentar que Portugal compita com o Bangladesh.
        Pobres dos que precisam do emprego criado pelos “capitalistas” portugueses…

    • Carlos Carapeto diz:

      E a associação dos trabalhadores em cooperativas não cria empregos? Não produz riqueza?E não é capaz de contribuir para o PIB? Porque razão não se dão incentivos a quem a queira formar cooperativas. Essas “merdas” iam deitar abaixo velhos dogmas provando que os trabalhadores organizados também sabem produzir e que não precisam de parasitas para lhe sugar o suor.

      Oh cuco social ignoras que podem existir trabalhadores sem patrões, mas patrões sem trabalhadores é inteiramente impossivel. Sabias disso?

      Porque te dá assim tanta comichão a CGTP e o PCP?

      • Tiago Vasconcelos diz:

        E alguém impede os trabalhadores de se organizarem em cooperativas?… Que se saiba, nada na Lei os impede.
        Então porque é que tão poucos trabalhadores de Esquerda (já não falo dos outros…) optam por esse modo de organização e, em vez disso, entregam-se à exploração capitalista?
        E porque é a CGTP não incentiva os trabalhadores ao cooperativismo?
        Porque será, ó carapeto?

        • Carlos Carapeto diz:

          Não podia existir resposta mais sucinta para explicar uma situação tão complicada.

          Garantes o financiamento e os apoios necessários a quem pretenda formar uma cooperativa? O Estado e os bancos de certeza que não o fazem. No entanto se se tratar de qualquer capitalista mesmo sendo um intrujão, quase de certeza que recebe ajudas para o arranque de qualquer atividade.

          A CGTP tem assim tanto dinheiro?

          Quando não se sabe destas coisas, disparam-se umas parelhas de coices e fica o assunto resolvido.

          • Tiago Vasconcelos diz:

            Que apoios, homem? Do Estado? Dos bancos? Então os valorosos trabalhadores capitalistas vão precisar de apoio dos malvados bancos capitalistas?!… A ideia de uma cooperativa é precisamente a de reunir as contribuições de muitos cooperantes, cada um com capital insuficiente, mas que juntos conseguem dar início a algo. A maior parte das empresas não começam grandes. Começam pequenas e depois vão crescendo.

            E não se pede à CGTP necessariamente apoio financeiro. Mas esperava-se que, pelo menos, incentivassem os trabalhadores a libertarem-se, a deixarem de ser assalariados dos capitalistas ou do Estado. Porque não o fazem? Porquê, ó carapeto?

            Sabes bem que as justificações que apontas não passam de desculpas. A verdade é muito simples para quem quiser enxergá-la. São muito poucos trabalhadores que se organizam em cooperativas porque para avançar com qualquer iniciativa empresarial, mesmo em modelo cooperativo, são necessárias um mínimo de ideias, de determinação e de disposição para correr riscos. Porém, a maior parte das pessoas não possui nem as ideias certas, nem a determinação, nem está disposta a correr riscos. O risco é um dos factores mais determinantes. Os trabalhadores, consciente ou insconscientemente, pensam assim: o trabalho assalariado pode não proporcionar uma vida folgada mas, pelo menos, tem pouco risco. O ser humano é, por natureza, avesso ao risco.

            Ó carapeto, manda lá agora mais umas desculpas convenientes.

    • Tomás Guevara diz:

      Ainda bem que os ricos ficaram ainda mais ricos
      e os pobres ainda mais pobres

      os pobres ganharam apenas uma coisa
      o seu aumento numérico

      mete asco esta defesa do status quo

      As desigualdades sociais são em portugal enormes

      ainda há quem as defenda
      parece que os ricos são quem “cria emprego”
      este vasconcelos sabe o que está a dizer?

      Um texto que apanhei do Eugénio Rosa
      «Portugal é um dos países da U.E. onde a distribuição do rendimento e da riqueza é já das mais desiguais. Segundo o Eurostat, em 2009, os 20% da população portuguesa com rendimentos mais elevados recebiam 6 vezes mais rendimento do que os 20% da população com rendimentos maisbaixos, enquanto a média na União Europeia era de 4,9 vezes. Por outro lado, segundo o INE, também em 2009, os 10% da população com rendimentos mais elevados recebiam 9,2 vezes mais rendimento do que os 10% da população com rendimentos mais baixos. E 17,9% da população, ou seja, cerca de 1,9 milhões de portugueses viviam com rendimentos abaixo do limiar da pobreza. Isto depois das transferências sociais, pois se essas transferências forem eliminadas ou eduzidas, como este governo pretende, a taxa de risco de pobreza sobe para 43,4%.
      Apesar das desigualdades em Portugal serem já superiores à média comunitária, e apesar do congelamento de salários e pensões e também recessão económica que atira diariamente muitos portugueses para o desemprego e para a miséria, o actual governo pretende fazer uma gigantesca redistribuição dos rendimentos (mais-valia), em beneficio da minoria já privilegiada.»

      Sabem qual é a melhor notícia?
      É que perante tão bons resultados obtidos pelo punhado de ricos no nosso país,o emprego florescerá e todos seremos muito felizes

      Mete asco de facto

      • Carlos Carapeto diz:

        Mais conversa para quê se está tudo explicado.

        Portanto os trabalhadores vivem mal por culpa própria?Porque são langões, incompetentes, acéfalos, cobardes, parasitas, seres humanos. E os patrões a que espécie pertencem?

        Sabendo de opiniões destas ainda há trabalhadores que condenam Estaline

  8. RC diz:

    A inveja é fodida

  9. Tomás Guevara diz:

    Daniel santos não tem nada contra eles
    tem apenas inveja deles

    Daniel santos ainda não percebeu que isto não é uma questão de amores e ódios
    ou uma questão de simpatias ou de antipatias?

    Que as coisas são muito mais fundas e muito mais complexas?

    Que uns tantos se apropriam da mão de obra de outros e que fazem fortunas à custa desses roubos?
    Que uns tantos especulam e ganham fortunas sem produzirem absolutamente nada?

    Belmiro?
    um intermediário que ganha a vida explorando os produtores e chantageando-os?
    Os mellos…que são um dos antros privados que ganham as suas fortunas à custa da exploração da condição de doente e que sem quaisquer escrúpulos tentam acabar com o SNS para terem ainda mais lucros?

    e não se interrogam sobre a questão central do motivo desta cambada estar 17,8 % mais rica enquanto cresce a miséria, a fome,o desemprego,a pobreza?
    e não se interrogam sobre o estado a que isto chegou, em que a riqueza está cada vez mais concentrada nas mãos de uns poucos?
    Quem defende esta situação não é apenas invejoso
    é pior do que isso

    mas os termos correctos não seriam os mais correctos para este espaço aberto

  10. Tomás Guevara diz:

    Uma última nota em jeito de poema de Brecht:

    PERGUNTAS DE UM TRABALHADOR QUE LÊ
    Quem construiu a Tebas de sete portas?
    Nos livros estão nomes de reis.
    Arrastaram eles os blocos de pedra?
    E a Babilônia varias vezes destruída–
    Quem a reconstruiu tanta vezes? Em que casas
    Da Lima dourada moravam os construtores?
    Para onde foram os pedreiros, na noite em que
    a Muralha da China ficou pronta?
    A grande Roma esta cheia de arcos do triunfo
    Quem os ergueu? Sobre quem
    Triumfaram os Cesares? A decantada Bizancio
    Tinha somente palácios para os seus habitantes? Mesmo
    na lendária Atlântida
    Os que se afogavam gritaram por seus escravos
    Na noite em que o mar a tragou.
    O jovem Alexandre conquistou a Índia.
    Sozinho?
    César bateu os gauleses.
    Não levava sequer um cozinheiro?
    Filipe da Espanha chorou, quando sua Armada
    Naufragou. Ninguém mais chorou?
    Frederico II venceu a Guerra dos Sete Anos.
    Quem venceu alem dele?

    Cada pagina uma vitoria.
    Quem cozinhava o banquete?
    A cada dez anos um grande Homem.
    Quem pagava a conta?

    Tantas histórias.
    Tantas questões.

  11. Mário Abrantes diz:

    Todas as guerras são guerras de ricos. O povo não tem dinheiro para comprar lança-rockets e AK-47 aos russos e seus aliados.

    Estes enriquecimentos em tempos de crise fomentam estados de espírito de revolta, e as pessoas que os aplaudem colocam-se no mesmo barco daqueles que alimentam guerras e confrontações.

Os comentários estão fechados.