75 anos da Revolução e Guerra Civil Espanhola, a Utopia como horizonte necessário

Foi há 75 anos que a Reacção deu um golpe com o objectivo de derrubar a jovem República, o povo sublevou-se e em muitos lados derrotou o golpe. Seguiu-se uma Revolução e brutal Guerra Civil… Hoje, vale a pena tirar um tempinho para reflectir sobre o que se passou, que ainda marca o presente e moldará o nosso futuro. Que saibmos tirar as devidas lições, pois bem iremos precisar delas!

Negras tormentas agitan los aires,
nubes oscuras nos impiden ver,
aunque nos espere el dolor y la muerte,
contra el enemigo nos llama el deber.
El bien más preciado es la libertad.
hay que defenderla con fe y valor.

Palavras deveras actuais…

Mas uma nota… o vídeo tá fixe, foi retirado do início do filme “Libertárias”… agora evidentemente esta não foi a última guerra “idealista” (o que é uma guerra “idealista”? só isso daria pano pa mangas, mas enfim), nem foi a última vez que um povo tentou o “impossível” e alcançar a “Utopia”… Mesmo por vezes sem querer, a malta é de uma arrogância e de um eurocêntrismo desmedido…

Um dos problemas que a Esquerda tem, é que ela própria integrou implicitamente (mesmo se superficialmente manda umas bocas contra o sistema…) o Fukoyamismo, tal como diz Zizeck numa recente peça publicada no P2 do Público. Isto num momento em que nunca o “sistema” esteve tão fragilizado… Sinto que a realidade mudou brutalmente, mas que muitos dos actores sociais não se movem de acordo com essa realidade, mas com a imagem que dela têm de há 10 anos… Ainda há muita coisa que se move devido a alguma inércia histórica,  mas já não há nenhuma força motriz por trás deles… É só uma questão de tempo para que desapareçam… nisto incluo a actual arquitectura institucional daUnião Europeia, os actuais regimes liberais-parlamentares, ou o estado social tal como foi concebido nos anos do pós-guerra… José Manuel Fernandes num dos seus últimos artigos no Público diz que há à Esquerda, antes de mais, uma crise de ideias… A verdade é que nisto ele tem razão, aliás é um pouco o que Zizeck diz por outras palavras. A questão é que novas ideias para reconstruir a Esquerda?

E aqui sem novas Utopias não haverá novas ideias nem movimento. Toda a Esquerda também foi contagiado pelo cinismo promovido pelos vencedores da Guerra Fria. Precisa neste momento de assumir e interiorizar que é necessário idealizar, lutar por e construir novas Utopias! Sem isso não há alternativa, não saímos do Fukoyamismo intelectual, que de resto é altamente falacioso, é que o horizonte que do presente se vislumbra não é o de um mundo povoado por democracias liberais em que as grandes contradições estão resolvidas… Na Europa o que se vê é a reemergência de várias formas de regimes autoritários de direita, a luta pelos recursos a nível global irá intensificar-se, aliás a não haver uma Utopia o que teremos é uma Distopia.

Por isso há que perceber que por mais difícil e tenebroso seja o caminho para a Utopia (sempre será, de uma forma ou outra, é o custo a pagar…)  é fundamental segui-lo para não cairmos numa Distopia sem saída…

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

4 respostas a 75 anos da Revolução e Guerra Civil Espanhola, a Utopia como horizonte necessário

  1. Camarro diz:

    Salvo erro, “A las barricadas” é uma adaptação da “Varchavianka” do Coro do Exército Vermelho.

  2. a anarca diz:

    A utopia nada tem de tenebroso 🙂
    e não é o fim mas o inicio …
    Como disse Anatole France :”… de sonhos generosos surgem realidades benéficas.Utopia é o principio de todo o progresso para um futuro melhor .”
    Não há que ter medo de nada
    há que ter força para lutar
    e um coração grande para amar 🙂

    • franciscofurtado diz:

      Pois… o espírito é esse mesmo! Mas não consigo deixar de ter consciência das vicissitudes do processo Histórico… Mas o espírito é esse e é com esse espírito que teremos de ultrapassar e superar todos os obstáculos.

Os comentários estão fechados.