RENEGOCIAR É FODIDO – Que sentido faz aceitar copular de costas se estamos longe de o querer fazer olhos nos olhos?

A esquerda já devia ter percebido que não se negoceiam direitos. Não devia ser não na cama como na escola, no hospital, na maternidade ou no cangalheiro. Não devia ser não por palavras ou por gestos e não devia ser não em qualquer língua. Não devia ser não quando nos impõem a austeridade, quando nos aliciam, sugerem, violam. Não devia ser não na hora de desmantelar serviços públicos, de privatizar empresas lucrativas ou de alienar património do Estado.  Não devia ser não quando o sim vem do patriarcado, dos maus hábitos ou das igrejas. Não devia ser não não em todas as circunstâncias em que seja colocada em causa a liberdade e os direitos de quem é chamado a responder. Não devia mesmo ser não até quando estamos convencidos que do outro lado é um sim que nos espera. Se parece tão consensual que em todas as matérias se respeite o não de todos e de cada um, porque razão a esquerda insiste em renegociar a dívida que em momento nenhum lhe diz respeito? Que sentido faz ter que pagar um empréstimo que não pedimos e que nunca nos chegou ao bolso? Como se renegoceia algo que não queremos nem temos a obrigação de negociar? A que acordo querem que a Monica Bellucci chegue em pleno túnel?

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , . Bookmark the permalink.

24 respostas a RENEGOCIAR É FODIDO – Que sentido faz aceitar copular de costas se estamos longe de o querer fazer olhos nos olhos?

  1. Não sei se percebi ideia mas no filme a Monica Bellucci não foi violada pelo Vincent Cassel.

    • Renato Teixeira diz:

      Pois é. Já corrigi, obrigado. Quem é o actor então, o Jo Prestia?

      • Exactamente.
        Desculpa ter começado por comentar este pormenor mas achei por bem fazê-lo.
        Quanto ao conteúdo do post sou forçado a discordar, ainda que isso me possa revoltar em termos ideológicos.
        Embora renegociar a dívida seja uma expressão demasiado vaga para as pessoas que a utilizam perceberem o que isso verdadeiramente significa, a questão é muito simples: não nos impuseram um empréstimo (nós é que nos endividámos ao longo dos últimos 10 anos para disfarçar um crescimento que nunca existiu), impuseram-nos as condições do empréstimo, o que é totalmente diferente.
        A renegociação que passa pelo simpless não pagamento é utópica e irresponsável, contudo lutar por condições que nos permitam ultrapassar a situação parece-me inteiramente defensável, aliás, imprescindível, se nos quiserem continuar a pedir sacrifícios.

  2. Casimiro diz:

    “A crise vai custar a todos mas também pode trazer mais felicidade, se prescindirmos de alguns bens e valorizarmos a solidariedade. Esta foi a principal conclusão da conferência “Portugal nos próximos 3 anos”, promovida pelo Expresso e pelo Banco Santander.”
    Não resisto a colocar isto aqui!

  3. basbaque diz:

    o phoder aceita ser phoder em qualquer posição

    só necessita continuar a phoder

    é um fim em si só

    logo desde as costas da líbia às costas da europa ou ao cu da dita cuja
    que tem tido variações geogr á ficas várias tanto faz

    e o ccc tá na grécia o cu se calhar também

  4. e isto de biolar filmes antigos quando há tanto novo philme por aí

    chama-se revisionismo

    queremos o ccc europeu na Irlanda

    que isto de europa unida é bunito

    mas ninguém quer dar o cu pela europa

  5. Rui Campos diz:

    Essa cena de violação é deveras chocante. Um pouco parecida com o que estão a fazer a Portugal e a outros países

  6. Pergunta você, Renato, se faz sentido pagar dívidas que…… E faz sentido vivermos submetidos do ponto de vista político, económico, social e cultural, em estado de autêntico remanso? E faz sentido assistirmos às divagações com que gente de esquerda se entretem a respeito dos assuntos que respeitam à direita enquanto poder e não sobre as formas de derrubar os muros do sistema que a suporta essa direita? E faz sentido não se discutir os meios e os modos de o conseguir? E faz sentido que alguns dos que se dizem preparados para se baterem contra o sistema caduco e fraudulento que suporta a direita no poder ( não falo apenas de Portugal) se vão acotovelando para arranjar um lugarzito nele? E faz sentido .. …., é claro que não faz, mas…

  7. Xana diz:

    …com essa fotografia não consigo pensar nesse assunto,
    …leva me para outros tuneis 🙂

  8. farto diz:

    Renato, os teus comentários sexistas e homofóbicos dos últimos dias começam a chatear….

  9. rg diz:

    Eu até acho que pode fazer sentido recusar pagar esta dívida em particular. O problema é que a seguir ninguém nos empresta dinheiro e ainda não fomos capazes de construir a alternativa que nos permita viver satisfatoriamente sem precisar de crédito.
    É um dilema fodido.

    • Renato Teixeira diz:

      Veja. Agora emprestam dinheiro para que se continue a pagar os juros. Só pode ser melhor negócio ficarmos com esse dinheiro para pelo menos fazer como fez o Equador.

      • rg diz:

        O Equador tem petróleo. Coisa que ainda não descobrimos.
        Também se pode fazer uso do argumento: se tem aspirações a receber algum do que cá puseram, emprestem-nos mais para isto ainda funcionar uns tempos, assim pode ser que voltem a ver o vosso.
        Agora a sério Renato, o Equador tem um projecto de sociedade alternativo ao mainstream capitalista. Nos não, por isso lhe digo enquanto a alternativa não for encontrada, não vale a pena precocupar-nos com os agiotas, antes direccionar a luta sobre quem anda de mão estendida e a enterrar-nos ainda mais. É como achar que o problema do toxico-dependente resolve-se prendendo o traficante, ele só vai la se deixar de depender da droga.

      • Tomás Guevara diz:

        Há um video que encontrei no Cantigueiro,sugestão de António Gains Galamba do “Cravo de Abril. É extremamente revelador e é de facto assustador

Os comentários estão fechados.