Ao lado de baixo do equador

Aproveito a sequência piegas de questionários para trazer o melhor vídeo do YouTube. O melhor de todos, num excesso à Carlos Vidal, com exclamação!

A propósito do sertão – que “é uma espera enorme”, segundo o Riobaldo do Guimarães Rosa –, o António Figueira disse que “Portugal conhece muito mal o Brasil”. Vê-se pelas ninharias: se Portugal conhecesse bem o Brasil, não diria que a Assunção Esteves parece o Andy Warhol, diria que parece a Simone Bittencourt de Oliveira, das canções mela cueca, mas platinada, chapadinha.

A propósito do António Figueira a propósito do sertão, o Pedro Penilo escreveu uma frase bonita demais para perder-se numa caixa de comentários: “há um Brasil que só certos portugueses conhecem – nem mesmo os brasileiros sabem desse Brasil –, o Brasil da nossa paixão pelo Brasil”. A minha, por exemplo. Nunca pus os pés no Brasil, quero morrer lá e fodam-se as cinzas. Explico como sei: para quê poemas de amor se existe “meu bem”?

Aproveito, também, para pedir-vos pedaços dos vossos Brasis, uma canção, um filme, um livro, uma palavra, um parangolé. Ou mandem-me à fava e visitem a Alexandra Lucas Coelho.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

57 Responses to Ao lado de baixo do equador

  1. Pingback: Dona Necessidade é senhora absoluta da minha situação, trabalhar e batalhar por uma nota curta | cinco dias

Os comentários estão fechados.