Uma vitória da revolução

Esta noite, mais de 200 milhões de crianças dormiram na rua. Nenhuma delas é cubana.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

18 respostas a Uma vitória da revolução

  1. Vasco diz:

    Uma vitória, sem dúvida. Não estamos a falar de uma grande potência industrial (dessas que produzem tanta coisa e tanta miséria), mas de um país pobre que resiste há décadas a um cruel e criminoso bloqueio da maior potência económica do mundo. E resiste. E consegue que NENHUMA criança fique sem escola ou sem tecto. Não é isto um direito humano?…

    • António diz:

      Não, não é!

      • Vasco diz:

        Não é? Poder nascer e crescer sem estar condenada à miséria, ao abandono escolar, ao trabalho infantil não é um direito humano? Não falemos de barriga cheia – até porque nunca saberemos que vida terão os nossos próprios filhos…

        • Jo diz:

          Isto é um direito humano sem dúvida nenhuma. Mas 2 copinhos de leite por dia dão saúde e alegria, e isso meu caro garanto-lhe que não têm.
          Já sei do bloqueio e não sei que mais. Mas um país que vive a senhas de racionamento alimentar, sem possibilidade de associativismo (fora da tutela do partido) ou emigração e com o contraste chocante entre o povo e turista de resort (propriedade de um cinzento dirigente político)…
          Grande democracia…
          Saudações ao Vasco Democrata

      • A.Silva diz:

        Não só é um direito humano como o principio básico da liberdade!

  2. JP diz:

    Mesmo não concordando com muito da revolução cubana tenho que reconhecer que esta frase tem uma força brutal!

  3. JPT diz:

    Posso, se faz favor, ter isso tudo e também liberdade e democracia? Ou tenho que escolher entre uma coisa OU a outra?

    • Bruno Carvalho diz:

      Ter isso tudo também é liberdade e democracia.

      • Carlos Vidal diz:

        O problema é quando a liberdade e a democracia apenas servem para enganar a fome. Não creio que o Pai da Pátria Portuguesa, o tal que diz ser uma nota de rodapé na história, tenha outra coisa na cabeça. Esse mesmo, o Pai da Liberdade.

    • Vasco diz:

      Há mais conceitos de «liberdade» e «democracia» do que os inventados e implementados na Europa cristã e Ocidental…

      • José diz:

        “Há mais conceitos de «liberdade» e «democracia» do que os inventados e implementados na Europa cristã e Ocidental…”
        “Ter isso tudo também é liberdade e democracia.”

        É verdade.
        Por isso é que, quando podem, tantos cubanos escolhem o ocidental conceito de liberdade e democracia e fogem de Cuba e dos seus conceitos muito próprios.

        Não sei se alguma criança cubana não dormiu ao relento. Sempre existem franjas na sociedade, em qualquer sociedade, cuja integração é dificil, por vontade própria ou alheia.
        Nem por isso se deixa de reconhecer o carácter igualitário da sociedade cubana imprimido pela revolução, com inegáveis avanços na protecção social, na saúde, na educação.
        Tal como não se deixa de reconhecer os danos evidentes na economia cubana provocados pelo bloqueio norte-americano.
        Igualmente se reconhece que o regime cubano é uma ditadura.

        E de Hamza al-Katheeb nada.

        É o que se chama ter padrões duplos, um eufemismo para hipocrisia.

      • Jo diz:

        Essa dos diferentes conceitos de “liberdade” e “democracia” é bestial. Também há mais conceitos de “não dormir na rua” que os inventados e implementados no mundo das palas. Por exemplo: uma casa sem telhado, dormir numa cabana, dormir na cadeia, …

    • JMJ diz:

      O que nos dizem PS/PSD e CDS é que não, não pode.

      Só pode ter a “Liberdade” para votar neles; aprovar “democráticamente” o programa do FMI; aceitar “livre e democráticamente” que há crianças que não vão ter que comer ou onde dormir, no seu próprio país, possivelmente na sua rua.

    • rafael diz:

      Se se refere a democracia como o processo em que os cidadaos sao consultados e participam activamente na tomada de decisões do seu país, se considera democracia a verdade, a honestidade e a franqueza com que as direcções partidárias se dirigem aos cidadãos e aceitam a critica e o desvio aos seus projectos, se isto para si constitui a base da democracia, pode ter os dois. Mas tem de ir viver para Cuba…

      • l'outre diz:

        HAHAHAHA!!!!

        Direcções partidárias que aceitam criticas e o desvios aos seus projectos? Em Cuba???!!! Mas que diferentes partidos existem em Cuba? Quantos prisioneiros políticos existem em Cuba?

        Cuba tem muitas coisas boas, do clima à saúde, mas a democracia e a liberdade não é uma delas.

      • JDC diz:

        E se eu quiser defender uma rutpura com o projecto político em vigor no meu país, tal como a CDU (por exemplo) faz em Portugal, posso fazê-lo em Cuba?

    • JPT diz:

      Deve haver, mas queria (fachavor) ter todas as vantagens da revolução cubana mas não ser preso por delitos de opinião, por exemplo, que é um conceito de liberdade comummente aceite. E já agora que o poder seja de alguma maneira dependente do escrutínio popular.

  4. Nuno L diz:

    Jo quem é o “cinzento dirigente político” ?

Os comentários estão fechados.