#spanishrevolution

Helena Matos orienta as tropas com receio que os bons ventos de Espanha nos tragam bons acampamentos. A destacada colunista opina que o que se passa em Espanha é um protesto de umas centenas de jovens que querem impedir a vitória do PP nas eleições de 22 de Maio, favorecendo o PSOE. Como é natural, para que a sua tese se aguente, não lhe interessa referir o comunicado ontem aprovado pela Assembleia de Madrid e, sobretudo, o ponto no qual se identifica o outro lado da barricada:

(…) Fondo Monetario Internacional, Banco Central Europeo, OTAN, Unión Europea, las agencias calificadoras de riesgo como Moody’s y Standard and Poor’s, Partido Popular, PSOE, pero hay muchos más y nuestra obligación es nombrarlos.

(sublinhado meu)

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

2 Responses to #spanishrevolution

  1. Vitorino Batalim diz:

    Em Espanha, tanto dá que ganhe o PP ou o PSOE, como em Portugal tanto dá que o PS como o PSD porque PP e PSOE em Espanha e PS e PSD em Portugal são todos controlados pelo siono-fascismo-nazi que controla o Club de Bilderberg do qual são servos submissos os dirigentes de todos aqueles partidos. Ou não é verdade que Azenar, do PP, Durao Barroso do PSD fizeram parte do “bando do 4” dos Açores onde avalizaram a invasão criminosa do Iraque por Bush e Blair todos eles Bilderbergs. É ou não verdade que avalizaram a mentira de Bush quanto à autoria do atentado do 11 Set em N.York que não teve mão de nenhum moçulmano mas sim de sionistas? E o 11 de Março de 2002 em Madrid, Atocha não suja de sangue as mãos de Azenar? e o 27 de Julho em Londres não suja de sangue as mão de Blair? O que digo de Azenar não pretende absolver Zapatero que é igualmente Bilderberg e não denunciou os crimes cometidos pelos seu antecessor no governo de espanha mas também que Azenar seja apresentado com um menino de coro inofensivo quando é um grande criminoso.

  2. Renato Teixeira diz:

    A ensaísta tem um olhar particular sobre a natureza. Quanto a deturpações históricas, ficamos, definitivamente, conversados.

Os comentários estão fechados.