Sostiene Pereira

Nas próximas eleições, em princípio, não votarei no PCTP-MRPP, e boa parte das razões pelo qual dificilmente o farei não estão suficientemente justificadas aqui. Apesar das profundas desconfianças políticas pela organização, da incapacidade do Xatoo em explicar o inexplicável apoio ao Alegre, o candidato presidencial de Sócrates, e os motivos pelos quais não anda aos pulos com o confronto imperialista entre a virilidade da França e o puritanismo dos EUA, concedo que as razões possam ser mais de ordem psicológica do que propriamente políticas.

A verdade é que Garcia Pereira tem, até ver, a melhor performance na campanha eleitoral, o que é assinalável uma vez que ele é um dos excluídos do disparate reaccionário dos meios de comunicação, que insistem em discriminar os partidos sem representação parlamentar e em codificar perniciosamente a sua mensagem política.

Em apenas 10 minutos, na entrevista que arrancou a ferros na TVI, o cabeça de lista por Lisboa deste partido de difícil análise, deu uma lição de política a toda a esquerda que está a ir a votos. Mesmo sem largar a albarda etapista que sobra à insistência na dimensão patriótica do discurso político, com razões históricas, é assinalável a clareza como justifica a injustiça da dívida e a justiça do seu não pagamento, o desassombro como caracteriza o papel da Alemanha de Merkel e a coragem com que assume que o partido que ganhar as eleições não só não está vinculado como deve rasgar o programa da troika feito sob suspensão democrática. É pena que estes e outros argumentos avançados por Garcia Pereira não confrontem directamente nenhum dos cinco candidatos a primeiro-ministro e, já que não foram, é pena que elas não tenham sido ouvidas por Francisco Louçã e Jerónimo de Sousa. Quanto mais não fosse, mesmo que não saíssem convencidos, iriam a tempo de evitar ser dizimados pelos lugares comuns que escolheram para se debaterem com a demagogia diletante e as mentiras do Sócrates.

Campanha à parte, ou talvez não, seria interessante perceber as razões que levaram boa parte da esquerda a ilegalizar o PCP-ML, AOC e MRPP, em pleno PREC e com o partido único ainda tão fresco na memória. Antes de qualquer conclusão sobre isso seria bom primeiro ler o que têm a dizer os entendidos.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , , , . Bookmark the permalink.

35 Responses to Sostiene Pereira

  1. Pingback: A intervenção de Garcia Pereira | Sentidos Distintos

Os comentários estão fechados.