este tempo – a minha crónica desta semana nas manhãs da antena 1: o meu sonho com a troika.

Listen!

eu tive um sonho. no meu sonho a troika – do fmi, do banco central europeu e da união europeia – tinha tomado conta de portugal. tinha-se instalado no palácio de belém e na assembleia da república. os telejornais abriam com os senhores da troika a dizerem como nos iam governar. os líderes do 3 partidos que nos governam nos últimos 30 anos continuavam a existir, falavam na tv, mas eram uma espécie de microondas da troika, aqueciam-nos para nós aceitarmos a presença desta troika destes senhores estrangeiros que tinham vindo cá dizer-nos que a culpa é nossa, toda nossa, que nós somos todos uma cambada de irresponsáveis, e por isso agora íamos ser castigados.

no início éramos todos obrigados a ir fazer um exame de francês ou de alemão, num sítio que parecia um colégio militar. eu não percebia porque é que nós tínhamos todos que mudar de língua. responderam-me que era a forma das pessoas compreenderem directamente as ordens de quem mandava, sem se gastar dinheiro nas traduções. quem não soubesse o suficiente para fazer um exame escrito e oral estava condenado a ir trabalhar para uma fábrica durante 8h sem direito a escolher.

os senhores da troika disseram: as portuguesas e os portugueses são uns preguiçosos como aliás os gregos, os irlandeses e os argentinos. eu não passei no meu exame escrito de francês e fui condenada a ir para a fábrica. nessas grandes fábricas que a troika tinha criou para nós, as pessoas eram separadas por género, cor de pele, idade, dinheiro.

já era de noite e eu fui falar com os senhores portugueses que eram os capatazes do senhores estrangeiros da troika e disse que eu tinha o direito de sair e ir cuidar do meu filho.

muitas mulheres perguntavam também pelos filhos. disseram-nos: tenham calma, as crianças têm a sua fábrica própria. as mulheres começaram a protestar:

– eu até trabalho mais para salvar as finanças do país, ou a banca, ou os mercados, mas os meus filhos não, os meus filhos devem continuar a estudar.

aí a troika mandou de novo os chefes dos 3 partidos que nos governaram nos últimos 30 anos falar  nas tvs que havia pela fábrica e explicar que estas medidas iam afectar todas as pessoas, mesmo as crianças e que isso da democratização da educação, a tal da conquista do 25 de Abril, o acesso à educação para todas e para todos, tinha acabado.

uma mulher começou a sentir-se mal e as outras pediram para ela ir para o hospital. os capatazes portugueses dos senhores estrangeiros da troika do fmi responderam: o trabalho liberta.

(continua…)

Este artigo foi publicado em cinco dias, Sistema Económico e Financeiro. Bookmark o permalink.

2 Responses to este tempo – a minha crónica desta semana nas manhãs da antena 1: o meu sonho com a troika.

Os comentários estão fechados.