VII CONVENÇÃO DO BE (IV) – Das palavras aos actos

Se o BE tem expressado o seu repúdio à troika do FMI e esclareceu que era contra a intervenção militar da NATO na Líbia (não obstante ter votado parte do processo político que o decidiu), porque não participa nas manifestações que são convocadas para o efeito? O argumento que mais ouço dos seus aderentes prende-se com o facto destas manifestações serem convocadas pela CDU, mas no marco em que qualquer das Moções que disputa a convenção deste fim-de-semana defende a unidade das esquerdas, não seria a luta de rua um palco privilegiado para começar a forjar alguns entendimentos? Porque sobram manifestos em que se insiste em incluir militantes e dirigentes do PS e os intelectuais do BE e da CDU ainda não têm um documento com um programa mínimo de combate ao arco que governa o país há 35 anos?

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , . Bookmark the permalink.

16 Responses to VII CONVENÇÃO DO BE (IV) – Das palavras aos actos

Os comentários estão fechados.