VII CONVENÇÃO DO BE (II): Da representatividade

Sendo que, a Moção A – Cabeça de Lista | Francisco Louçã: 452 delegados; a Moção B – Cabeça de Lista |João Pedro Freire: 10 delegados; a Moção C – Cabeça de Lista | Gil Garcia: 63 delegados; a Moção D – Cabeça de Lista | Jorge Céu: 9 delegados e os delegados não associados a nenhuma moção: 14 delegados, dá um total de 548 delegados em representação de 8220 aderentes, (à ordem de 1 para 15), o  número que seria interessante saber não seria o total de aderentes com quotas pagas que de facto expressou em voto o seu apoio a cada uma das moções? Quantos dissidentes ainda estão contabilizados no total dos 8220 aderentes? Se este processo de eleição de delegados tivesse como universo os votos expressos e não o total de sócios da agremiação, seria o intervalo entre as diferentes moções tão desproporcional? Se o BE está à beira dos 10 mil aderentes o que espera para fazer da AR o seu Palácio de Inverno e do Rossio a nossa Praça Tahrir?

Resultados retirados dos Vermelhos.net

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , . Bookmark the permalink.

18 Responses to VII CONVENÇÃO DO BE (II): Da representatividade

Os comentários estão fechados.