o post que se segue pode conter línguagem susceptível de ferir algumas sensibilidades

‎”isto é inaceitável e insulta a memória de todos os mortos e estropiados desta guerra. nada, mesmo nada do que até hoje ouvi a cavaco chega perto desta enormidade. este homem não está, definitivamente, à altura do cargo que ocupa.”

… ainda não percebeu que os que foram (e irão) para a rua não estão à espera de um salazar que os cavalgue.

(cavalgadura de merda.)

Sobre Sassmine

evil fingering.
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

20 Responses to o post que se segue pode conter línguagem susceptível de ferir algumas sensibilidades

  1. Leitor Costumeiro diz:

    É realmente inacreditável, a carga que as bestas conseguem por sobre si. Só faltou dizer que foram todos voluntários e que a guerra colonial era perfeitamente justa…
    Que grande anormal…

  2. idi na huy diz:

    Agora mesmo ouvi o dislate de tal personagem ao fazer a apologia da guerra colonial e ao regojizar-se com o empenho dos jovens na altura, de terem ido combater pelo nobre (para os da laia dele!)ideal do colonialismo,exploração,oubo,ignominia e CRIMES!!!!O cretino mete nojo e,se esta merda fosse um Estado de Direito,o gajo iria para a puta que o pariu!!!!

  3. Pascoal diz:

    Os que estiveram nessa p**** de guerra estiveram lá porque foram obrigados.
    Esse gajo empenha-se em fazer discursos nojentos.

  4. Santiago diz:

    Após ouvir esta figura fica-me um sentimento de nojo que me impede de dizer algo mais do que simplesmente GRANDE FILHO DA PUTA!!!

  5. xatoo diz:

    o Cavaco deve ser daqueles que tem orelhas de “turras” (terroristas, na giria da Pide) conservadas em frascos de formol lá em casa – devia ter metido no boião era as orelhas da pataxoca da 1ª dama quando vivia desafogadamente à custa dos escravos negros num país mergulhado na miséria

  6. Manolo Heredia diz:

    O Américo Tomáz também fazia discursos cretinos, e não era por ser estúpido, era técnica para agradar à “maioria silenciosa”. Cavaco está a avançar nesse sentido. Candidato a ditador !

  7. o da boa fé diz:

    línguagem virá de língua, certo?
    e linguarudo?

  8. josé diogo diz:

    Para a criatura a cancao de Jacques Brel “Les Bourgeois”:
    Les bourgeois c’est comme les cochons
    Plus ca devient vieux plus ca devient bete
    Les bourgeois c’est comme les cochons
    Plus ca devient vieux plus ca devient…

  9. Me Nhoca diz:

    Foi infeliz a comparação devia ter utilizado antes os gloriosos fumos da índia

    ou os bandeirantes do sucre brasileiro

    Houve quem fosse obrigado a maioria

    houve quem fosse com espírito missionário

    houve quem fosse à caça de promoção

  10. donatien diz:

    Pena aquele blogue -pasquim não ser em papel. pois dava-nos o conforto das lareiras.

  11. Não sei que experiência lá teve o Cavaco.
    Em Moçambique o grosso dos colonos brancos não gostavam da tropa, (sobretudo a norte) axavam que éramos uma «espécie de criados» que não fazia suficiente «serviço», i.e. proteger os assets deles e dar cabo da pretalhada toda a eito.
    Depois a sul em Lourenço Marques (Maputo) estavam o comando, a putanheirice e as ‘soirées’ no hotel Polana.

    Deve ser dessa «missão» que o homem está a falar.

    🙁

    • Sassmine diz:

      pois, deve ser. e nos africanos nem vale a pena pensar, que na altura eram de terceira categoria, eram outros tempos.

  12. helder diz:

    Isto vindo de um gajo que se alguma vez “vestiu”o M64 foi para dar uma queca, á doida, na maria.

  13. Carlos Fernandes diz:

    Afinal, a bela (pese embora um pouco magra) e inteligente (estive a ler o currículo, e 2 cursos superiores, uau ) actriz Joana Manuel assina aqui neste blog disfarçada, porque razão, como Sassmine, não leve a mal mas não soa bem o nick, caramba, parece marca de bolacha, lol…

  14. Sassmine diz:

    Frequência de três, mas no total um curso superior e três quartos. Não me considero parva, mas o número de licenciaturas não me parece necessariamente sinónimo de inteligência —de qualquer modo, obrigada pela simpatia.

    O nome Sassmine não é um disfarce, é quando muito um alter-ego, e aí na coluna ao lado está a identidade oficial. E desculpe lá, Carlos, mas nome de bolacha é Maria.

    • Carlos Fernandes diz:

      Pois, Ok, de acordo, para se ver da inteligência não é bem pelos cursos superiores (eu frequentei dois, sem concluir nenhum, e o segundo, Gestão Imobiliária, só lamento não ter sido mais inteligente e não ter deixado o curso mais cedo e ter pago uma data de propinas) é mais pelas línguas, ora eu falo sete línguas (incluindo àrabe clássico) e mesmo assim por vezes sou mais parvo (ingénuo) que inteligente, lol..

  15. Sassmine diz:

    sete línguas já é coisa que me desperta inveja.

  16. A mim também, eu só falo seis, mas estou a fazer um «esforçozinho» (devagar…) para me chegar a mais duas, difícil, outros alfabetos, russo e grego.
    Árabe e farsi ficam p’ra depois de eu morrer…
    😉

  17. Sassmine diz:

    ah eu não, eu na próxima encadernação quero ser gato. antes sete vidas e todas as línguas do mundo. 🙂

Os comentários estão fechados.