“A-t-on des nouvelles de Monsieur de La Pérouse?”

Só mais este, e prometo que a seguir deixo o La Pérouse em paz lá no fundo do mar onde ele repousa, porque já excedi a quota de posts mensal e o Nuno ainda se lembra de pedir controlo anti-doping. Googlando, cheguei a dois artigos (aqui em inglês, ali em francês, cada um com os seus encantos) sobre uma expedição para esclarecer o mistério do desaparecimento do almirante francês, duzentos anos depois do naufrágio da Bússola e do Astrolábio, os navios comandados pelo navegador. Na tripulação seguia um linguista, Alexandre François (que aliás tem o blogue onde encontrei os tais artigos). Entre outras coisas, descobriu que os indígenas de Vanikoro chamam a uma espécie local de feijão “cassoulet”, indício de que a tripulação francesa passou por lá. Achei graça à ideia da linguística ao serviço da arqueologia, e mais ainda tratando-se do mesmo La Pérouse da conversa entre Swann e o general, o mesmo que eu queria converter em verbo, com muita propriedade. Proponho a seguinte definição: pérouser (verbo intransitivo): discursar sobre a pessoa amada substituindo o seu nome por qualquer referência a ela associada, desconhecida do interlocutor.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

4 Responses to “A-t-on des nouvelles de Monsieur de La Pérouse?”

Os comentários estão fechados.