O regresso do zombie – adenda

Na caixa de comentários deste post foi-me dito (e parece-me que justificadamente) que, já que mandei a “boca”, devia desenvolver porque é que o fiz.

Aqui fica:

«O lançamento da pergunta surge-me por duas razões:
Por um lado, porque diversas pessoas me transmitiram isso nos últimos dias, em situações diferentes. O que me levanta o interesse de saber mais.
Por outro, devido ao facto de, na sequência do anúncio da moção (que, a julgar pelas imagens, pareceu ter apanhado de surpresa quem estava à volta do Francisco Louçã – pelo menos quanto ao seu timing), só terem aparecido a defender a moção dirigentes do BE de outras tendências, todos eles com o ar de preferirem estar a fazer outra coisa qualquer naquele momento. O que é coerente com um tipo de “ratice” táctica que corresponde à cultura organizacional daquilo que era a UDP, mas não àquilo que era prática do PSR ou da Política XXI.

Mas isto sou eu, a observar de fora e a dar atenção ao que vou ouvindo de pessoas normalmente bem mais informadas acerca daquele dentro do que eu.
Por isso a pergunta e não uma afirmação.
Na esperança de que alguém nos possa esclarecer este assunto.

Assunto que não é irrelevante porque, quando um partido que se assume como plural toma decisões polémicas que (como esta) terão ou é suposto virem a ter consequências importantes, se justifica saber quem as gerou e deu à luz, independentemente de quem depois aceitou “vestir a camisola” e dar a cara, contrariado ou não.
Não essencialmente por uma questão de abstracta e ingénua “transparência” – que é contudo desejável mas pouco acarinhada nas vidas partidárias, facto a que talvez não seja estranha a má imagem pública acerca “dos partidos”.
Antes por uma questão de accountability acerca das consequências das decisões (venham aquelas a ser positivas ou negativas), perante os membros ou votantes dos partidos que as tomam e perante os cidadãos em geral. Que me parecem, todos eles, ter esse direito.»

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged . Bookmark the permalink.

11 Responses to O regresso do zombie – adenda

Os comentários estão fechados.