Como substituir o argumento pela preguiça. Não era melhor ser mais exigente com a política ao invés de resolver a contenda transformando a liberdade em crime e castigo?

O Tiago procurou perceber numa única posta o voto em branco, o voto nulo e a abstenção, fenómenos demasiado diferentes para que se discutam em simultâneo. O debate é interessante, claro, ainda para mais agora que só os votos brancos e nulos ficaram à frente de duas candidaturas e trezentas mil pessoas confusas e inconsistentes, desprovidas de poder ou de projecto político, superaram o surpreendente Coelho, o não mais estruturado Defensor Moura e quase com mais votos que o esclarecido camarada Francisco Lopes. O Tiago não compreende que mais de metade dos eleitores não tenha encontrado razões para ir às urnas no passado domingo e certamente o baralha que pessoas muito diferentes acabem por se expressar da mesma maneira num determinado acto eleitoral, sugerindo resolver o problema à moda do Carlos César, do Daniel Medina ou da generalidade dos regimes militares.

Espantado por qualquer uma das (des)orientações de voto juntar gente com contradições insuperáveis, do “Renato ao monárquico João Távora do Corta-Fitas ou uma parte da Ruptura/FER às alas mais conservadoras da Igreja”, o Tiago não devia mudar de ideias quanto à obrigatoriedade do voto apenas por estar em pior ou melhor companhia. Da mesma maneira que não me faz nenhuma confusão em estar com a infinita variedade de estados de espírito dos 5.417.428 eleitores que não confiou o seu voto a nenhum dos candidatos, o Tiago devia reconsiderar a sua intenção em dar-nos a todos guia de prisão ou multa, não pelas más companhias mas por defender, quero acreditar, a primazia do direito sobre a chibata das obrigações. Melhor do que proibir quem se queira colocar à margem da palhaçada em que se vem tornando o actual sistema político, alimentado a eleições que de dia para dia se tornam uma farsa cada vez mais insuportável para a maioria absoluta das pessoas, o Tiago e o restantes projectos políticos que se submetem a sufrágio deviam antes empenhar-se em convencer quem querem castigar. Sabemos a quantidade de votos que já não é, vá lá, muito democrática, fruto da máfia de caciques que se encarrega de deturpar cada uma das escolhas que fizemos desde o 25 de Abril, mas querer pela lei da lei superar incompetências ou clamorosos erros políticos é que me parece peregrino.

Este artigo foi publicado em cinco dias and tagged , , . Bookmark the permalink.

11 Responses to Como substituir o argumento pela preguiça. Não era melhor ser mais exigente com a política ao invés de resolver a contenda transformando a liberdade em crime e castigo?

Os comentários estão fechados.