A realidade de patas para o ar


Pacheco Pereira defendeu, na sua quadratura, que o PCP e o BE instrumentalizam a pobreza ao pretenderem criar uma artificial luta de classes, onde só existe harmonia celestial. E eu que estava convencido que a pobreza resultava, em grande parte, da vitória da classe dos ricos sobre a dos pobres. Parece que o homem da Marmeleira não vê que, quando se distribui a riqueza nacional, existem uns poucos que levam quase tudo e muitos que recebem muito pouco.
Como a vista é diferente quanto se está pertinho dos lá de cima, não é? Houve um gajo qualquer que chamou a isso horizonte social.

Sobre Nuno Ramos de Almeida

TERÇA | Nuno Ramos de Almeida
Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

11 Responses to A realidade de patas para o ar

Os comentários estão fechados.