Rosa, rosae

Depois da incursão pelas presidenciais, aqui vai, para desopilar, um post dedicado àquelas rosas fanadas que circulam entre São Bento e o Largo das Ratazanas. Não pode concorrer com o o post da Morgada porque, como alguém já disse, «são versos, mas não é poesia»:

A uma rosa

Rosa tão linda, pálida e triste,
Rosa de encantos, cheiras tão bem!
Vejo que sofres; dize, que sentes?
Tens saudades de tua mãe?

Pois ainda ontem tu vicejavas,
Ao pé das rosas, tuas irmãs
Com quem vivias, embalsamando
A branda aragem destas manhãs!…

Mas eu cortei-te, rosa, perdoa!
Gostei de ti, mas ah! fui cruel!
Tens saudades, não tens? da abelha
Que ia, zumbindo, buscar o mel?

Ofereço uma rosa ou um cravo vermelho (no próximo 25 de Abril) a quem adivinhar quem é o autor destes versos. Vá lá, dou uma dica: é um de quem se dizia que era burro mas não tinha albarda.

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

10 Responses to Rosa, rosae

Os comentários estão fechados.