A farsa continua…

Desempregados podem perder subsídio se recusarem programa Novas Oportunidades

Já antevejo o governo, daqui a uns meses, a “esquecer” este facto e a elogiar o sucesso presente das Novas Oportunidades, dada a enorme adesão de formandos (não se pode dizer alunos).

Este artigo foi publicado em cinco dias. Bookmark o permalink.

6 Responses to A farsa continua…

  1. Pisca diz:

    Não sei porquê mas lembra-me os “cursos de formação” do tempo do Sr. Silva

  2. Abilio Rosa diz:

    Se os fdp’s dos gajos que estão no poder, nas direcções, nas empresas do Estado forem despedidos, levam avultadas indemnizações e quiçá boas reformas, sem que ninguém os vai chatear.
    Um trabalhador que sempre descontou para a Segurança Social e se estiver numa situação de desemprego , para receber o que tem direito, tem que fazer prova de vida, fazer ginástica, aulas de aeróbica, inginharia sanitária socretina e talvez um dia apresentar-se à esquadra de policia mais próxima.
    Os que roubaram o BPN andam aí livrezinhos da silva com os seus Mercedes, BMWs e iates e ninguém os chateia!
    Que raio de «socialismo» é este, camaradas?
    Não apetece ir às ventas desses fdp’s?

  3. M. Abrantes diz:

    A humilhação de quem é pobre, é tacho sem fundo.
    Esta pouca vergonha fede a ‘educação das massas’, e remete para regimes dos quais não quero sentir no meu país nem o cheiro.

  4. Pingback: O valor do trabalho | cinco dias

  5. Pingback: Entretenimento @ semiose.net - Blog

  6. Camarro diz:

    Na semana passada, salvo erro, assisti a um “debate” entre António Barreto e Miguel Sousa Tavares na Sic Notícias. Este último, no alto de toda a sua sabedoria, dizia qulquer coisa parecida com isto: “É evidente que uma pessoa que esteja desempregada há cinco anos não poder receber o mesmo valor de subsídio que um jovem que ande à procura do primeiro emprego?”

    É evidente que, pela ignorância manifestada, nenhuma pessoa dos relacionamentos próximos de tal figura teve a necessidade de recorrer ao subsídio de desemprego.

Os comentários estão fechados.